Insegurança alimentar na pandemia é discutida em reunião ampliada da Frente Parlamentar Contra a Fome

NATALIA DO VALE
HOME OFFICE

A Frente Parlamentar Contra a Fome, grupo suprapartidário da Câmara Municipal de São Paulo, realizou na manhã desta terça-feira (25/5), reunião virtual ampliada com o Observatório Contra a Fome, para alinhar algumas ações de combate à insegurança alimentar na cidade durante a pandemia da Covid-19. O debate foi coordenado pela vereadora Janaína Lima (NOVO).

Observatório Contra a Fome

O Observatório Contra a Fome surgiu como encaminhamento da Comissão Extraordinária de Direitos Humanos e Cidadania e tem como finalidade analisar, monitorar e sistematizar as informações e demandas, em diálogo com movimentos sociais, entidades, coletivos, grupos e demais organizações da sociedade civil, em relação ao combate à fome.

Com duração de 180 dias, o Observatório funciona como um apoio importante para o trabalho da Frente Parlamentar Contra a Fome na proposição de soluções para as dificuldades socioeconômicas trazidas pela pandemia e seu impacto na população mais vulnerável, buscando a criação de políticas de segurança alimentar no município.

Palavra dos parlamentares

A vereadora Cris Monteiro (NOVO) abriu a reunião comentando a importância da Frente Parlamentar Contra a Fome para aliviar a situação de tantos munícipes que estão passando necessidade: “Eu não gostaria que essa Frente fosse necessária, que a fome existisse, mas enquanto vivemos esta crise, é importante trabalharmos para levar o alimento à mesa desses brasileiros”, disse a parlamentar.

Em sua fala, o vereador Dr. Sidney Cruz (SOLIDARIEDADE) destacou a gravidade da crise econômica na capital paulista e expôs dados do atual cenário: “É um tema que merece toda atenção. Segundo uma pesquisa realizada pelo Datafolha temos mais de 19 milhões de pessoas passando fome no país. Faltou comida para 40% dos quem têm apenas o Ensino Fundamental completo. Ou seja, quem tem baixa escolaridade sentiu mais os impactos da crise econômica decorrente da pandemia da Covid-19, e a diminuição do auxílio agravou essa situação. Por isso este trabalho é tão importante”.

Já o vereador Eduardo Suplicy (PT) ressaltou a importância da geração de renda para as pessoas em vulnerabilidade. “As políticas de combate à fome têm diversas dimensões, tais como distribuição de alimentos, parceria com pequenos agricultores, acesso à água potável e energia elétrica; mas principalmente políticas de trabalho, emprego e renda, como uma renda básica emergencial. Precisamos de ações intersetoriais que garantam a segurança alimentar às pessoas”.

Propostas de combate à fome na cidade

Durante a reunião os parlamentares fizeram sugestões de projetos e ações que poderiam ser discutidos como medidas emergenciais neste momento de pandemia. O vereador Gilson Barreto (PSDB) apontou a criação de um Bom Prato Municipal nas escolas como um caminho viável e importante neste contexto: “O programa atenderia os alunos de baixa renda e os pais, que também se encontram em uma situação difícil deixando de comer para dar aos seus filhos”.

O vereador Alessandro Guedes (PT) colocou a necessidade da criação de novos programas de renda emergencial e da manutenção dos já existentes. “Podemos pedir a criação de um auxílio estadual para comerciantes que estão sofrendo na pandemia e também famílias carentes. São Paulo é o Estado mais rico do país e não tem nada assim. O auxílio municipal é importante, mas não é suficiente, por isso precisa ser ampliado e estendido. São 100 reais que podem virar 300 reais por família e ajudam sim no orçamento da casa”, explicou o parlamentar.

Captação de novos doadores

Ao final da reunião, a ação de divulgação de um cadastro de novos possíveis doadores para o Programa Cidade Solidária, assim como também de uma listagem de entidades que podem receber as doações foi debatida pelo colegiado. O objetivo é que os próprios vereadores ajudem nesta divulgação para que mais pessoas recebam cestas básicas na cidade de São Paulo.

Cidade Solidária

A ação de voluntariado é uma iniciativa da Prefeitura e de diversas entidades da sociedade civil organizada para ajudar as pessoas em situação de extrema vulnerabilidade. Essa ação será realizada durante a manutenção da situação de emergência e do estado de calamidade pública decorrentes da pandemia do novo coronavírus.

Sobre a Frente Parlamentar Contra a Fome

Lançada em 25 de março de 2021 por meio do PR (Projeto de Resolução) 09/2021, e promulgada como Resolução 03/2021, a Frente Parlamentar Contra a Fome da Câmara Municipal de São Paulo tem como objetivo fomentar políticas públicas de garantia à alimentação adequada para munícipes e combater o desperdício de alimentos com o envolvimento de todos os parlamentares que compõem o Legislativo paulistano.

Participe

Quem quiser participar da Frente Parlamentar Contra a Fome, deve acessar o hotsite no Portal do Legislativo paulistano ou enviar um e-mail para o endereço eletrônico: frentecontrafome@saopaulo.sp.leg.br

Estiveram presentes também à reunião os vereadores Danilo do Posto de Saúde (PODE),Delegado Palumbo (MDB), Eli Corrêa (DEM), Ely Teruel (PODE), Fabio Riva (PSDB), Faria de Sá (PP), George Hato (MDB), Gilberto Nascimento Jr. (PSC), Juliana Cardoso (PT), Professor Toninho Vespoli (PSOL) e Renata Falzoni (PV).

Clique aqui e confira a íntegra da reunião.

Este é um espaço de livre manifestação. É dedicado apenas para comentários e opiniões sobre as matérias do Portal da Câmara. Sua contribuição será registrada desde que esteja em acordo com nossas regras de boa convivência digital e políticas de privacidade.

Nesse espaço não há respostas - somente comentários. Em caso de dúvidas, reclamações ou manifestações que necessitem de resposta clique aqui e fale com a Ouvidoria da Câmara Municipal de São Paulo.

 Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também