Vereadores debatem Paraisópolis e pedido de subprefeitura na região

André Moura / CMSP

Sessão Plenária (10/12)

MARCO ANTONIO CALEJO
DA REDAÇÃO

Na Sessão Plenária desta terça-feira (10/12), os vereadores subiram à tribuna do Plenário 1° de Maio para comunicados de liderança e debate sobre assuntos da cidade de São Paulo. Paraisópolis, na zona Sul da cidade, voltou a ser tema de discussão entre parlamentares, a partir do pedido de moradores para criação de uma subprefeitura na região.

O vereador Adilson Amadeu (DEM) mencionou reunião com membros da Associação dos Moradores de Paraisópolis. Uma das reivindicações apresentadas, segundo Amadeu, foi a criação de uma subprefeitura. “Lá surgiu um pedido de Subprefeitura Morumbi Paraisópolis. Falei em nome de todos os vereadores, sim, que iria protocolar esse pedido de subprefeitura”, comentou o vereador. “Não é tão fácil assim, porque para organizar uma subprefeitura naquele local vai demorar um grande tempo e planejamento”, disse Amadeu.

Os bailes funk, também conhecidos como pancadões, foram repercutidos pela vereadora Sandra Tadeu (DEM), durante a Sessão Plenária. Segundo Sandra, este tipo de evento precisa ser promovido com segurança e de acordo com a legislação. “O pessoal de pancadão não quer regras, não quer leis. Para ser feito um evento, você tem uma relação enorme de documentação, tem que ter entidades responsáveis. A lei existe aqui na cidade de São Paulo, mas ninguém quer cumprir”, disse Sandra.

A vereadora criticou a sugestão de criação de uma nova subprefeitura. “Nós não temos nem funcionários suficientes, que são necessários para as subprefeituras já existentes, como vamos abrir mais subprefeituras?”, questionou Sandra.

A vereadora Soninha Francine (CIDADANIA) também comentou os pancadões – e apontou problemas que afetam que mora próximo dessas festas. “A casa delas se torna um inferno no fim de semana, na noite, na madrugada, com o barulho e com a dificuldade de acesso de entrada e saída da própria casa. Pessoas idosas, trabalhadores, mães com crianças pequenas, que sofrem ainda mais, com as janelas da casa tremendo com o barulho do pancadão”, afirmou Soninha.

Soninha cobrou alternativas de locais adequados para este tipo de evento. E defendeu que sejam criadas mais opções de lazer e cultura para os jovens que vivem em Paraisópolis.

Dia Internacional dos Direitos Humanos

Para lembrar os 71 anos da Declaração Universal dos Direitos Humanos, proclamada pela Assembleia Geral das Nações Unidas, em Paris, o vereador Eduardo Suplicy (PT) relatou o teor de reunião, na segunda-feira (9/12), entre representantes da Comissão de Direitos Humanos da OAB-SP (Ordem dos Advogados do Brasil, seção paulista) e do CONDEP (Conselho Estadual de Defesa dos Direitos da Pessoa Humana).

Também participaram familiares das vítimas de Paraisópolis, o governador do Estado, João Doria, e outras autoridades. “A reunião teve como objetivo ouvir as famílias e tomar medidas para apuração de todos os fatos sobre a tragédia, assim como as medidas necessárias para que não ocorram novas tragédias como a de Paraisópolis”, afirmou Suplicy.

Clique aqui para assistir à íntegra dos depoimentos da Sessão Plenária desta terça-feira.

Deixe uma resposta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também