Comitê de Crise da Educação recebe representante da Covisa para tratar de ações de combate à Covid-19

KAMILA MARINHO
HOME OFFICE

Em‌ ‌reunião‌ ‌nesta‌ quinta-feira‌ (27/5), ‌ os integrantes do Comitê Emergencial de crise da Educação, vinculado à Comissão de Educação, Cultura e Esportes, receberam para um debate virtual, em nome da Secretaria Municipal de Saúde, Selma Anequini Costa, que está à frente da Covisa/DVE (Divisão de Vigilância em Saúde) da capital.

Durante sua apresentação, Selma demonstrou preocupação sobre a nova cepa detectada no Brasil, a variante indiana B.1.617.2 e falou das recomendações seguidas pelo município, segundo orientações da Anvisa (Agência de Vigilância Sanitária) e Ministério da Saúde, tais como:

– Reforço das ações de identificação precoce de casos suspeitos, testagem e isolamento de casos e contatos;

– Aprimoramento de ações de monitoramento e quarentena de contatos (módulo monitoramento sistema e-SUS Notifica);

– Reforço de medidas não farmacológicas (uso de máscara, distanciamento, evitar aglomerações);

– Avaliação de medidas de restrição de circulação;

– Alerta e atenção para possibilidade de introdução de novas variantes.

“Desde quando recebemos o anúncio da variante da Índia, quando ela foi reclassificada como variante de atenção, nós estamos bastante mobilizados em São Paulo para o desenvolvermos ações que devem ser articuladas com o governo federal com a participação da Anvisa”, comentou Selma.

Inquérito sorológico

Vários integrantes do Comitê tiveram a oportunidade de esclarecer dúvidas sobre o trabalho da Secretaria de Saúde junto à Secretaria Municipal da Educação, como questões sobre os critérios de abertura e fechamento de escolas. “A gente segue o Plano São Paulo com as recomendações do governo do Estado para abertura e fechamentos de nossas escolas”, explicou Selma.

Vice-presidente da APROFEM (Sindicato dos Professores e Funcionários Municipais de São Paulo), Margarida Genofre, perguntou se existe um levantamento específico de casos de Covid-19 em servidores da educação e alunos, porém não existem dados não específicos para a rede municipal de ensino, segundo explicações da representante da Covisa.

O vereador Celso Giannazi (PSOL) demonstrou preocupação sobre o tema. De acordo com o parlamentar, já são 220 profissionais da Educação mortos por complicações da Covid-19. “Infelizmente, me parece que a gente não tem um inquérito sorológico específico para os profissionais da Educação para que a gente possa saber, se de fato, a escola é um ponto de contágio ou não”, observou o parlamentar.

Volta às aulas

Presidente da Comissão de Educação, o vereador Eliseu Gabriel (PSB) quis saber sobre o posicionamento da representante da Saúde sobre a retomada das aulas presencias nas escolas da capital. “Se fosse para a senhora decidir, qual seria sua posição sobre a reabertura das escolas?”.

Para Selma, é uma questão muito complexa, já que vários parâmetros devem ser levados em conta para abertura ou fechamento da escola. “Se aumenta a transmissão da doença, aumentam os surtos também em escolas e outras instituições. Aumenta a transmissão conforme o aumento da circulação do vírus e o número de casos. Mas nem sempre esses surtos são relacionados à Covid-19, podendo ser outros vírus circulando como as síndromes gripais”.

Testagem

Integrante do Comitê, o vereador Eduardo Suplicy (PT) perguntou sobre o resultado dos testes feitos em professores e servidores da rede municipal de ensino.

“Os testes demonstraram se as pessoas tiveram contato com o vírus. A última atualização que temos demonstra que 27% de prevalência no número de profissionais da Educação que apresentaram anticorpos por terem tido contato com a doença”, disse Selma.

Outras dúvidas sobre vacinação, protocolos em escolas e transmissão da Covid-19 entre as crianças também foram debatidas durante a reunião.

Clique aqui e confira a reunião do Comitê.

Este é um espaço de livre manifestação. É dedicado apenas para comentários e opiniões sobre as matérias do Portal da Câmara. Sua contribuição será registrada desde que esteja em acordo com nossas regras de boa convivência digital e políticas de privacidade.

Nesse espaço não há respostas - somente comentários. Em caso de dúvidas, reclamações ou manifestações que necessitem de resposta clique aqui e fale com a Ouvidoria da Câmara Municipal de São Paulo.

 Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também