Audiência pública discute inclusão da velhice na Classificação Internacional de Doenças

CAROL FLORES
HOME OFFICE

A inclusão da velhice na CID (Classificação Internacional de Doenças) proposta pela OMS (Organização Mundial de Saúde) foi tema de Audiência Pública realizada na manhã desta terça-feira (21/9) pela Comissão Extraordinária do Idoso e Assistência Social, atendendo requerimento do vereador Eli Corrêa (DEM).

Abrindo os trabalhos, o presidente do colegiado, vereador Faria de Sá (PP), se posicionou contra a inclusão da velhice na CID. O parlamentar argumentou que hoje em dia muitos idosos são ativos e arrimo de família. “Grande parte dos idosos já aposentados voltaram ao mercado de trabalho e estão garantindo o sustento da família, mostrando assim a importância das pessoas de mais idade”, comentou. Na mesma linha de pensamento o vereador Eli Corrêa (DEM) mostrou indignação a inclusão da velhice na CID e ressaltou que velhice não é doença.

A especialista em gerontologia, Sandra Regina Gomes, explicou que a velhice é uma das etapas da vida e que faz parte de um ciclo natural. “Fazer parte desse ciclo é um privilégio porque todos nós queremos viver mais e viver bem”, destacou a especialista que ainda ressaltou que classificar pessoas idosas como doentes vai na contramão da garantia de direitos da pessoa idosa.

Como mecanismo de identificação de dados epidemiológicos e rastreamento de causa mortis, a CID segundo o médico especialista em envelhecimento, Alexandre Kalache, é essencial para acompanhar o que acontece com a população. No entanto, o médico teme que a inclusão da velhice gere consequências já que os médicos, segundo ele, não são treinados sobre as questões do envelhecimento. “Fica muito tentador para os médicos assinalarem termos oficiais como velhice”, explicou.

O médico ainda lembrou que o Duque de Edimburgo, marido da rainha Elizabeth II, que morreu aos 99 anos em abril deste ano, teve a morte decretada como velhice, mesmo três meses antes ter sido hospitalizado com problemas cardíacos.

Ao final, o médico pediu ao presidente da Comissão para ampliar as manifestações contra o termo velhice na CID e encaminhar para outras câmaras do Estado de São Paulo documentos pedindo apoio a causa.

O vereador Faria de Sá se comprometeu juntamente como o vereador Eli Corrêa em encaminhar o pedido de participação para outras Casas Legislativas do Estado e também agendou para a próxima reunião do colegiado a elaboração de um requerimento para solicitar mais uma Audiência Pública sobre o tema.

Também participaram da audiência os vereadores Alfredinho (PT), Gilson Barreto (PSDB) e Milton Ferreira (PODE).

Para conferir a íntegra do debate, assista:

 

Este é um espaço de livre manifestação. É dedicado apenas para comentários e opiniões sobre as matérias do Portal da Câmara. Sua contribuição será registrada desde que esteja em acordo com nossas regras de boa convivência digital e políticas de privacidade.

Nesse espaço não há respostas - somente comentários. Em caso de dúvidas, reclamações ou manifestações que necessitem de resposta clique aqui e fale com a Ouvidoria da Câmara Municipal de São Paulo.

 Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também