Volta às aulas presenciais é um dos temas discutidos na sessão desta quinta

Afonso Braga | REDE CÂMARA

Sessão Plenária desta quinta-feira (4/3)

MARCO CALEJO
HOME OFFICE

Vereadores se reuniram de forma virtual na Sessão Ordinária da Câmara Municipal de São Paulo na tarde desta quinta-feira (4/3). Seguindo uma ordem preestabelecida, parlamentares fizeram discursos por até cinco minutos no Pequeno Expediente e se inscreveram para fazer comunicados de liderança.

Volta às aulas

A volta às aulas de forma presencial nas escolas municipais foi debatida durante a sessão. O vereador Celso Giannazi (PSOL) utilizou o sistema virtual da Casa para se posicionar contrariamente. “A educação está colocada como se ela fosse imune à Covid-19. Os nossos profissionais da educação, os nossos alunos e a comunidade escolar estão sujeitos ao risco de contaminação”.

O vereador Dr. Sidney Cruz (SOLIDARIEDADE) também pediu para suspender as atividades escolares presenciais. “Todos nós sabemos que as nossas crianças e os nossos adolescentes estão vulneráveis. Que toda cadeia educacional está em vulnerabilidade”.

Outro parlamentar que tratou do tema foi o vereador André Santos (REPUBLICANOS). “Nós estamos ouvindo muitas pessoas, mas os pais deveriam ser ouvidos para que possam decidir o que é melhor para os seus filhos neste período de pandemia. Agora, há um consenso, que é a vacinação para os profissionais da área da educação. Nós vamos ter um grande avanço se eles forem incluídos entre os primeiros a serem vacinados”.

Pancadões

Os pancadões promovidos nas periferias paulistanas neste período de pandemia também repercutiram na sessão. O vereador Delegado Palumbo (MDB) cobrou ações por parte do governo estadual para evitar os bailes funk. “A periferia sofre demais com esses pancadões, que o senhor governador do Estado de São Paulo não combate”.

Doenças raras

A vereadora Cris Monteiro (NOVO) destacou o Dia Mundial das Doenças Raras, celebrado em 28 de fevereiro, para chamar a atenção para a causa. De acordo com a parlamentar, existem de 5 mil a 8 mil doenças raras no mundo. No Brasil, segundo ainda Cris Monteiro, aproximadamente 13 milhões de pessoas têm diagnóstico de alguma dessas comorbidades.

“São Paulo, como nós sabemos, não se furtou da discussão do problema. Há cerca de dois anos sancionou a lei n° 17.083 de 2019, de autoria do (ex) vereador Gilberto Natalini”, disse Cris, que completou. “Quero registrar com muita alegria o andamento das discussões no Conselho Municipal de Saúde para a implantação dos temas determinados na lei municipal dos raros. Destaco também o processo de construção da Casa dos Raros, em São Paulo, que é uma iniciativa da Casa Hunter, uma organização sem fins lucrativos”.

Próxima sessão

A próxima Sessão Plenária está convocada para terça-feira (9/3), às 15h. A Câmara Municipal de São Paulo transmite a sessão, ao vivo, por meio do Portal da Câmara, no link Plenário 1º de Maio, do canal do Legislativo paulistano no YouTube e do canal 8.3 da TV aberta digital (TV Câmara São Paulo).

Assista aqui aos discursos na íntegra da Sessão Plenária desta quinta.

 

Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também