Iniciativa da Câmara, projeto que veta canudos plásticos é sancionado

Danilo Meira / CMSP

Prefeito Bruno Covas e vereador Xexeu Tripoli (PV) com o PL sancionado (25/6)

DANILO MEIRA
DA  REDAÇÃO

Em cerimônia realizada na sede da Prefeitura de São Paulo, nesta terça-feira (25/06), foi sancionado sem vetos pelo prefeito Bruno Covas o PL (projeto de lei) 99/2018, que proíbe a distribuição de canudos plásticos na capital paulista.

Com o objetivo de reduzir o impacto ambiental, o projeto veta o fornecimento de canudos plásticos a clientes de hotéis, restaurantes, bares e padarias, entre outros estabelecimentos comerciais. Também não será permitida a distribuição em clubes noturnos, salões de dança e eventos musicais.

Como alternativa, o projeto menciona os canudos de papel reciclável, materiais comestíveis ou biodegradáveis, desde que embalados individualmente em envelopes fechados do mesmo material. Os estabelecimentos que não cumprirem a lei ficarão sujeitos à advertência, multa e mesmo fechamento.

Durante o evento, o prefeito Bruno Covas destacou os efeitos desses materiais sobre o meio ambiente. “É um compromisso ambiental e ético da nossa geração com as futuras. Temos a missão de reduzir a dependência que temos do plástico, é um problema ambiental grave”, comentou Covas.

Covas também destacou o pioneirismo de São Paulo nessa matéria. “As grandes mudanças na legislação ambiental acabam prosperando com mais agilidade aqui, sendo replicadas Brasil afora. Tenho certeza de que na questão dos canudos também será assim”, afirmou o prefeito.

O autor do projeto, vereador Xexéu Tripoli (PV), apoiado na iniciativa por outros 47 vereadores, ressaltou a importância da nova lei. “É uma iniciativa que colabora para reduzir problemas como as enchentes na cidade e a poluição dos oceanos, com o contingente de plástico lançado no mar”, disse Tripoli.

Segundo o vereador, a intenção é contribuir para que a pessoas mudem os hábitos de consumo de itens plásticos. “É um material importante, que trouxe muita coisa boa, mas que, com seu uso indiscriminado, se tornou um problema”, resumiu Tripoli.

O projeto aguarda a regulamentação para entrar em vigor.

One Comment

Deixe uma resposta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também