Comissão quer esclarecimentos sobre cortes no orçamento da Educação

2016-10-26-ord-educacao-cultura-espostes-luiz-franca-08618-300abre

A partir da esquerda, vereadores Claudinho de Sousa (PSDB), Reis (PT), Paulo Fiorilo (PT) e Eliseu Gabriel (PSB)
Foto: Luiz França / CMSP


DA REDAÇÃO

Os vereadores da Comissão de Educação, Cultura e Esportes da Câmara Municipal aprovaram nesta quarta-feira (26/10) os requerimentos para que os secretários municipais de Finanças, Rogério Ceron de Oliveira, e o adjunto de Governo, Weber Sutti, prestem esclarecimentos sobre os contingenciamentos do orçamento destinados à pasta de Educação em São Paulo.

De acordo com o presidente do colegiado e autor do requerimento, vereador Reis (PT), alguns cortes estão sendo feitos em projetos e ações da rede municipal de educação, incluindo o programa Leve Leite, que antes distribuía 4 kg de lei em pó por aluno e passou a distribuir apenas 1 kg.

“Nós queremos explicação, porque temos que zelar pela educação da cidade de São Paulo e não podemos admitir que fatos adversos à vontade da população possam prejudicar nossas crianças”, afirmou Reis.

Orçamento para Cultura

Outro requerimento aprovado pelos parlamentares é de autoria do vereador Paulo Fiorilo (PT), que solicita uma reunião da Comissão com grupos organizados de cultura. Segundo o vereador, os coletivos que realizam atividades culturais fomentadas pela Secretaria de Cultura na periferia do município gostariam de discutir com os vereadores as demandas orçamentarias de cultura para 2017.

“A ideia é de discutir com os grupos da periferia um orçamento razoável para o próximo ano, que dê conta das demandas dos eventos que precisam ser realizados por esses grupos nas regiões mais distantes do centro. Eles estão pedindo esta reunião porque a Comissão de Finanças vai promover só duas audiências [Públicas], e são audiências gerais. Então, eles estão querendo ter a oportunidade de ter esse diálogo com a Comissão de Educação e quem sabe a partir daí também poder dialogar com a Comissão de Finanças”, explicou o vereador Fiorilo.

Veja também