Comissão de Relações Internacionais debate coronavírus

Luiz França / CMSP

Comissão de Relação Internacionais (13/2)

DANIEL MONTEIRO
DA REDAÇÃO

Combater a desinformação da população sobre a epidemia do novo coronavírus, batizado de Covid-19.

Esse foi o objetivo da reunião promovida nesta quinta-feira (13/02) pela Comissão Extraordinária de Relações Internacionais da Câmara Municipal de São Paulo

O debate contou com a participação de vereadores, representantes da Secretaria Municipal de Saúde, da imprensa, de entidades ligadas à China e da sociedade civil.

O evento mostrou dados oficiais atualizados em relação à epidemia, apresentou os planos de ação do governo municipal para conter o vírus na cidade e buscou estabelecer um diálogo com a população.

Governo cria site para orientações

Segundo Selma Anequini Costa, representante da Divisão de Vigilância Epidemiológica da Coordenadoria de Vigilância em Saúde, órgão da Secretaria Municipal de Saúde, São Paulo tem apenas dois casos suspeitos de infecção causada pelo coronavírus.

Selma explicou que, desde o começo da epidemia em janeiro, o governo municipal criou um site, atualizado diariamente, com informações sobre a doença e orientações para evitar o contágio.

O portal também possui links voltados aos profissionais da saúde, para a notificação online de novos casos suspeitos.

Além disso, a representante da Divisão de Vigilância Epidemiológica destacou que foram realizadas reuniões de formação e capacitação de funcionários de unidades de saúde e de escolas municipais da capital, para esclarecer possíveis dúvidas e orientar corretamente a população quanto à doença:

“Foi criado, ainda, o Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública, que coordena as ações específicas relacionadas ao novo coronavírus. O centro, inclusive, atua em conjunto com os governos estadual e federal para traçar estratégias de detecção e controle do vírus”, informou Selma.

Luiz França/ CMSP

Combater as fake news

Presente ao evento, a jornalista Natalia Cuminale, especialista em saúde, afirmou que um efeito colateral do pânico causado pela epidemia de coronavírus é a proliferação de fake news (notícias falsas publicadas e divulgadas como se fossem informações reais) nas redes sociais.

De acordo com Natalia, no caso do coronavírus, a proliferação de informações falsas foi potencializada pelo pânico causado pela epidemia:

“As fake news são negativas em qualquer contexto, mas na saúde elas têm um efeito quase criminoso, pois tratam de aspectos ligados ao bem-estar da população. Outra consequência dessa desinformação é o preconceito. No caso específico desse coronavírus, com chineses e pessoas de ascendência asiática, que estão sofrendo discriminação”, alertou a jornalista.

Presente ao debate, a representante da IBRACHINA (instituto sociocultural dedicado a promover a integração entre Brasil e China), Ana Beatriz Borges, destacou que a instituição também atua no combate à desinformação relacionada ao vírus:

“Criamos o portal do Observatório do Coronavírus, com notícias e informações oficiais de veículos de comunicação chineses em relação à epidemia. No site também há um canal de denúncias de casos de discriminação, que serão compilados pelo IBRACHINA e entregues às autoridades competentes”, disse Ana Beatriz.

O coronavírus na China

Durante o debate, o empresário Charles Putz elogiou as ações do governo chinês para a contenção do coronavírus:

“Estava na China até o final de janeiro e, fora da cidade Wuhan (epicentro da epidemia), tudo está muito tranquilo. Os chineses têm a situação controlada. Isolaram uma região com mais de 50 milhões de habitantes para conter o vírus e implementaram uma série de medidas de controle, como medição de temperatura nas entradas de empresas, obrigatoriedade do uso de máscaras, entre outras coisas”, apontou Putz.

Importância do evento

Na avaliação da presidente da Comissão de Relações Internacionais, a vereadora Janaína Lima (NOVO), a reunião trouxe importantes esclarecimentos à população:

“O papel da Câmara hoje foi muito essencial, pois a população teve acesso aos protocolos de saúde que o município vem desempenhando. Além disso, trouxe um olhar amplo no sentido de como comunicar o que é verdadeiro e o que é fake news, e pudemos, acima de tudo, tranquilizar a população”, finalizou Janaína.

Também estiveram presentes os vereadores Arselino Tatto (PT) e Mario Covas Neto (PODEMOS).

Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também