Situação financeira da Prefeitura de SP referente aos últimos quatro meses será discutida em audiência

MARCO CALEJO
HOME OFFICE

A Comissão de Finanças e Orçamento da Câmara Municipal de São Paulo confirmou a primeira Audiência Pública de 2021 para quarta-feira (24/2), às 10h. A reunião, que irá discutir a situação financeira da Prefeitura de São Paulo referente aos últimos quatro meses, será feita de forma semipresencial.

De acordo com o presidente da Comissão, vereador Jair Tatto (PT), a audiência atende ao cumprimento da Lei de Responsabilidade Fiscal. A norma determina que até o final dos meses de maio, setembro e fevereiro o Executivo municipal deve demonstrar e avaliar as metas fiscais de cada quadrimestre.

O secretário municipal da Fazenda, Guilherme Bueno de Camargo, é um dos convidados a participar da Audiência Pública.

Comissão de Finanças e Orçamento

A Comissão de Finanças e Orçamento examina e emite parecer sobre Projetos de Lei relacionados às matérias orçamentárias e tributárias. Destaque para o Plano Plurianual, as diretrizes orçamentárias, o orçamento anual, os créditos adicionais e as contas apresentadas anualmente pelo prefeito, pela Mesa Diretora da Câmara e pelo Tribunal de Contas do Município.

Transmissão

O Legislativo paulistano transmite a Audiência Pública, ao vivo, por meio do Portal da Câmara, no link Auditório Prestes Maia, e pelo canal da Câmara Municipal de São Paulo no YouTube.

 

Serviço:
Pauta: Audiência Pública da Comissão de Finanças e Orçamento
Tema: Apresentação das metas fiscais do último quadrimestre da Prefeitura de São Paulo
Data: 24/2
Horário: 10h
Local: Auditório Prestes Maia – 1º andar da Câmara Municipal de São Paulo

Uma Contribuição

Silvia Calçada

Verifiquem se subprefeituras sabidamente desonestas como é o caso da Aricanduva/Formosa estão prestando contas de recursos adquiridos para “zeladoria”, onde terá sido aplicado o recurso se não zelam por nada.
E necessário verificar as manobras que envolvem essaa nova mania de pintar o mundo de branco. Quanto dinheiro, quanta saida de caixa se pode justificar com papeis onde se escreve “tinta para pintar guias e postes”. A começarpelo fato de que a polpulação dispensa tamanha cafonice. Notem que em locais onde a politicagem impera o pincel branco não entra. Note-se que nãoé em qualquer logradouro que enfiam a tinta branca. Necessári também verificar que articulam esquemas para facilitar a justificativa pelos gastos, há links no site da prefeitura onde inventou-se que alguém poderia solicitar a prefeitura a pintura de guias. Que bela fantasia! Quem neste mundo solicitaria que a prefeitura viesse a sua residencia ou comércio pintar a guia, ou postes?
O impacto provocado por essa pintura constante é desnecessário e desagradável, trata-se de poluição visual, presença ostensiva de governo, sem que o governo realize as funções de extrema necessidade.
Verifiquem a extinção da lei “Cidade Limpa”, uma lei só pega quando agrada a polpulação. A Lei cidade Limpa pegou porque o paulistano quer ter direito ao aspecto contemplativo da cidade, tal qual ocorre em qualquer cidade rica no mundo. Verifiquem a liberalidade a um certo revestimento chamado ACM, além de poluir produz reverberação, mas alguém está ganhando com isso.
E o nivelamento de calçadas? E o enterramento dos fios? E a retirada de caçambas que dificultam o transito? E esses favores todos que essa prefeitura está fazendo com dinheiro público? E as árvores com valor de revenda que os agronomos estão retirando? E as favelas sem saneamanto, sem segurança, sem dignidade, onde a prefeitura enfeita a calçada com jardinzinhos de pneu? Que história é essa de encher as calçadas de obstáculos coloridos com plantinhas, numa cidade caente de árvores?
Chega de aturarmos esa gestão chula para ingles ver. Esses apaniguados precisam de fiscalização, monitoria.
Quem explica essa pintura de azul e amarelo, cores do PSDB? O PSDB está pintando calçadas de azul. Temos centenas de milhares de quilomeyros quadrados, inde gente corrupta pode faturar com tinta azul. De fato o PT faturava com tinta vermelha. O PSDB denunciado sobre a tinta azul passou a faturar com tinta branca. E vexatório. Uma criança tem direito de conhecer os materias que extraimos da naturza para compor o ambiente urbano, uma criança se enriquece se puder conhecer as particularidades de uma árvore, seus frutos, sementes, folhas, ao contrário, temos uma prefeitura que mutila as árvores e realiza suspensão de copas. Euma prefeitura que desumaniza a cidade. Uma criança tem direit de saber o que é o gnaisse, concreto é cor de concreto, rocha tem cor de rocha e se modifica através do intemerismo. A educação ambiental ocorreria nas praças, se as praças não fossem tolhidas, destruidas, vilipendiadas, oprimidas. Estão impedindo até mesmo a regeneração do solo, não fazem capnas regulares e quando cortam a vegetação realizam vareduras que impedem a materia organica de recompor o solo. Isto não é uma prefeituraé uma corja.

Responder

Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também