SP 2030: Associação defende uma cidade pensada para o pedestre

DA REDAÇÃO

Organizada de maneira informal pelas redes sociais há quase um ano, a Associação Cidade a Pé se dedica a refletir sobre uma São Paulo mais apropriada para os pedestres, além de desenvolver cursos de formação sobre o assunto.

Segundo Gilberto Carvalho, membro da associação, a quantidade de pessoas que se locomovem a pé pode ser equiparada com a quantidade que utiliza o transporte público, mas ainda sim, o planejamento de ruas e avenidas é pensado sempre pela perspectiva do transporte individual motorizado. “Uma das grandes conquistas que tivemos recentemente foi a inclusão do tema no Plano Nacional de Mobilidade, exatamente dessa mudança na maneira de pensar as cidades”, lembra Carvalho.

O trabalho da Cidade a Pé vai ao encontro do que está previsto no Plano Diretor Estratégico (PDE), sancionado em julho de 2014 pelo prefeito Fernando Haddad (PT). O PDE, um conjunto de medidas que norteiam o desenvolvimento da cidade pelos próximos 15 anos, pretende desestimular o uso do transporte motorizado individual.

Carvalho acredita que até 2030 possa haver uma grande transformação na maneira de se locomover em São Paulo, principalmente no chamado centro expandido,  uma área saturada pelo transporte individual. “Hoje, você já tem reflexo no trânsito, ou seja, a diminuição da velocidade dos carros. Acredito que nos próximos anos vamos ver os paulistanos priorizarem a locomoção a pé e por transporte público”, disse.

SP Cidade em Movimento será o primeiro tema a ser abordado por especialistas nesta segunda-feira, durante o SP 2030, ciclo de seminários que pretende discutir os desafios da cidade nos próximos 15 anos, realizado pela Câmara Municipal, em parceria com a Escola do Parlamento, a partir das 15h.

Participarão do encontro desta segunda os professores Ciro Biderman (FGV e Secretaria Municipal de Transportes) e a consultora em mobilidade ativa Meli Malatesta. Foram convidados também dois debatedores: José Jailson da Silva, do Fórum Viva Fundão M’Boi Mirim, e Victor Callil, do Cebrap.

Veja as datas e os temas dos outros seminários:

25/04 – SP Cidade do Conhecimento (sobre conhecimento e inovação)
23/05 – SP Menos Desigual (sobre desigualdades sociais)
20/06 – SP Cidade Sustentável (crescimento sustentável)
04/07 – SP Megacidade (governança metropolitana)

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas clicando aqui

One Comment

ALEXANDRE PELEGI DE ABREU

A matéria cita especificamente a Associação Cidade a Pé. No entanto, a consultora Meli Malatesta, que participa do debate, coordena a Comissão Técnica Mobilidade a Pé e Acessibilidade da ANTP (Associação Nacional dos Transportes Públicos), em nome da qual estará presente. Gostaria de ressaltar esta lacuna no texto.

Comentários estão fechados

Veja também