Prefeitura quer integrar 1 milhão de câmeras de segurança

André BuenoCMSP

Seminário sobre Segurança Pública foi realizado na Câmara

DA REDAÇÃO

Um dia após a Câmara Municipal de São Paulo aprovar em segunda votação o Projeto de Lei (PL 334/2017), que garantiu indenização de R$ 200 mil para integrantes da GCM (Guarda Civil Metropolitana) mortos ou incapacitados em serviço, o secretário municipal de Segurança Urbana, coronel José Roberto Rodrigues, esteve na Casa e agradeceu o trabalho dos vereadores.

Nesta quinta-feira (8/6), ele também afirmou que nos próximos dias a Prefeitura vai lançar um programa para integrar 1 milhão de câmeras de monitoramento a um sistema que será acessado pela administração municipal, Polícia Militar e delegacias da Polícia Civil.

“As imagens colocadas em nuvem irão para o portal City Câmeras. Queremos que pessoas jurídicas e físicas, que têm esses equipamentos, disponibilizem as imagens. Vamos aumentar e muito a vigilância em São Paulo”, afirmou.

O secretário e o comando da GCM estiveram no Seminário de Segurança Pública, no Plenário 1º de Maio. O evento foi promovido pela Comissão Extraordinária de Segurança Pública, presidida pela vereadora e líder do PSDB Adriana Ramalho.

Em relação à indenização aos GCMs, Rodrigues destacou a construção da Lei feita pelo Executivo e Judiciário. “Fizemos do mesmo modo que já existe na Polícia Militar. Em vez de pagarmos para uma seguradora, tiramos o valor diretamente dos cofres públicos”.

Crítica

O vereador Reis (PT), membro da comissão, criticou o veto do prefeito João Doria a uma lei do vereador Conte Lopes (PTB). O projeto para coibir “pancadões” não progrediu no Executivo. “As pessoas estão incomodadas com o barulho na cidade”, afirmou o petista.

Ele defende que a Casa reverta o veto. “O problema é o Governo que sempre tem maioria aqui. E, na lógica da governabilidade, acaba não permitindo que sua base vote em projetos que ele tenha produzido vetos. Eu achei um prejuízo porque teríamos um grupamento de guardas para combater os pancadões”, finalizou.

Uma Contribuição

Nelson Alves de Oliveira

O nosso Excelentíssimo prefeito João Doria vetou o projeto dos pancadões porque na frente da residencia onde ele mora esta livre deste inferno que é estes pancadões, ele não tem problema com jovens fazendo sexo, usando drogas e usando bebida alcoólica em frente a sua residencia, pois quando a uma especie de tumulto nas imediações da casa do mesmo existe segurança para defende-lo, enquanto nós meros mortais somos obrigados a ficar irritados com todo tipo de droga que rola em frente as nossas casas, sem importar que existe menores sendo usados por maiores para desfrutar do luxo do sexo.

Contribuições encerradas.

Veja também