Mobilidade Urbana é discutida em Audiência Pública da Comissão de Trânsito

Luiz França/CMSP

Apresentação da pesquisa sobre Mobilidade Urbana no Plenário 1º de Maio

ELDER FERRARI
DA WEB RÁDIO CÂMARA

A recente pesquisa de Mobilidade Urbana realizada pelo Ibope, encomendada pela Rede Nossa São Paulo e pelo Projeto Cidade dos Sonhos, foi tema de uma Audiência Pública da Comissão de Trânsito, Transporte, Atividade Econômica, Turismo, Lazer e Gastronomia nesta quarta-feira (25/10) na Câmara Municipal de São Paulo.

O edital de licitação de transporte coletivo de ônibus, que está prestes a ser lançado pela Prefeitura de São Paulo, foi destaque na medida em que a pesquisa mostrou que a maioria dos paulistanos está insatisfeita com a qualidade do transporte público.

As notas atribuídas pelos pesquisados para os diversos itens relacionados à Mobilidade Urbana foram baixas – 5,5, em uma escala de 1 a 10 – e são as menores da história do levantamento, iniciado em 2009. Para o item “transporte público de uma maneira geral”, que inclui ônibus e metrô, os paulistanos deram nota 3,8. Em 2016, o indicador registrou 5,1.

Baseado na pesquisa, Flávio Siqueira, coordenador do Projeto Cidade dos Sonhos, disse quais são  os principais aspectos que devem ser levados em conta na nova licitação de transporte de ônibus da cidade de São Paulo.

“Qualidade do serviço e o preço. Isso ficou claro na pesquisa. Nós também aferimos que 82% dos usuários de carro topariam migrar para o transporte público, migrar para os ônibus, caso eles fossem de melhor qualidade.”

O gestor de projetos da Rede Nossa São Paulo, Américo Sampaio, chamou a atenção para o real valor do serviço de transporte de ônibus na cidade de São Paulo. Américo afirmou que a tarifa custa em torno de R$ 5,80, a Prefeitura entra com o subsídio de cerca de R$ 2,5 bilhões por ano, reduzindo a tarifa ao usuário para R$ 3,80. Mas, de acordo com ele, o valor discriminado gasto pelas empresas de ônibus não é divulgado.

“Precisamos saber quanto custa cada item da cadeia produtiva do transporte público municipal, para então compreender a tarifa. O que não me parece razoável é cobrar do usuário R$ 3,80 por viagem, que é um valor elevadíssimo, sem saber quanto custa o sistema.”

A gerente de pesquisa com usuários da SPTrans, Cristina Borges, elogiou os dados apresentados  e pretende dialogar com as entidades sobre o tema.

“São dados importantes embora a nossa metodologia seja diferente, já que nós fazemos pesquisas apenas com os usuários de transporte. O campo deles é um pouco mais aberto, mas no geral é muito importante para a discussão da Mobilidade Urbana na cidade de São Paulo.”

O vereador João Jorge (PSDB) entende que a pesquisa será muito importante para a elaboração da licitação do transporte de ônibus da cidade, por apresentar dados relevantes.

“Tenho reunião com o secretário Sérgio Avelleda (Transporte e Mobilidade Urbana) e pretendo mencionar a Audiência Pública e os dados apresentados na pesquisa, que são riquíssimos. Esses dados podem contribuir para a melhora do serviço público de ônibus.”

O presidente da Comissão de Trânsito, vereador Senival Moura (PT), também elogiou a pesquisa, que em sua opinião é muito bem fundamentada. Para ele, pensando na nova licitação do transporte de ônibus de São Paulo, é fundamental, pois mostra o que a população quer.

“A qualidade do sistema de transporte tem de evoluir. E isso vai melhorar com a nova licitação, deixando claro que é necessário mais investimento e que a tarifa para o usuário de ônibus na cidade de São Paulo é muito alta”.

Essa pesquisa foi realizada no período de 27 de agosto  a 11 de novembro, ouvindo 1.603 pessoas de todas as regiões da cidade. O nível de confiança da pesquisa é de 95%, com dois pontos percentuais para mais ou para menos.

A pesquisa completa pode ser consultada no site da Rede Nossa São Paulo.

Veja também