Número de Valets regularizados impressiona parlamentares da CPI

 

Luiz França/CMSP

Reunião da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) dos Valets

EMANUEL BELMIRO
DA REDAÇÃO

Em toda a cidade de São Paulo apenas 7 empresas prestadoras dos serviços de Valets estão devidamente regularizadas. A informação foi repassada pelo representante da Secretaria Municipal das Prefeituras Regionais, Sandro Alencar. Dado que chamou a atenção dos parlamentares que compõe a CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) do Valets da Câmara Municipal de São Paulo que se reuniu nesta terça-feira (24/4).

Na última reunião, ocorrida no dia 10/3, os vereadores membros da CPI aprovaram requerimentos solicitando informações sobre dados relacionados ao serviço de Valets na capital paulista, tais como: número de empresas que atuam nesta área; número de reclamações dos consumidores paulistanos no SAC 156; ocorrências registradas nos Consegs (Conselhos Comunitários de Segurança); e possíveis casos atendidos pelo DPPC  (Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania) e pela Secretaria de Segurança Urbana.

As informações repassadas pelos órgãos competentes levantaram outros questionamentos por parte dos membros da CPI. Dados como o pouco número de Valets cadastrados e a falta de processos envolvendo o serviço na CET (Companhia de Engenharia de Tráfego) chamaram a atenção dos vereadores. O relator da CPI, vereador Fábio Riva (PSDB), acredita que a burocracia da Prefeitura incentive a não regularização de boa parte das empresas de Valets na cidade.

“Temos uma legislação de transito muito burocrática. Existe um Código Nacional de Transito que precisa ser respeitado, a CET segue isso, mas podem ser feitos ajustes ou amadurecer ideias, através desta CPI, que venham a facilitar a regularização maior das empresas que prestam este serviço”, disse.

Representantes da CET e do Procon também estiveram presentes na reunião desta terça-feira. Eles foram questionados pelos parlamentares da CPI principalmente no que se refere a fiscalização dos Valets e também em relação a defesa dos consumidores que forem lesados por este serviço. Estes representantes também expuseram algumas ideias e discutiram maneiras de melhorar a situação atual dos Valets em São Paulo.

A presidente da Comissão, vereadora Soninha Francine (PPS), aprovou, junto aos demais membros da CPI, requerimentos solicitando mais informações aos órgãos que fiscalizam e regularizam as empresas de Valets.

“Primeiro vamos pedir essas outras informações e depois convocar algumas pessoas para prestarem esclarecimentos aqui na CPI. A partir dos depoimentos de hoje já identificamos as autoridades e outros representantes do poder público, além de sindicatos, hotéis e empresas de Valets que vão contribuir bastante com desenvolvimento dessa Comissão”, disse a vereadora.

Veja também