Moradores de Vila Prudente questionam adensamento em Eixo de Estruturação

mozart-gomes-cmsp-abre(24)

Audiência Pública para discutir a revisão da Lei do Zoneamento   Foto: Mozart Gomes / CMSP

JELDEAN SILVEIRA
DA REDAÇÃO

Os moradores da subprefeitura de Vila Prudente que participaram nesta quinta-feira (17/9) da Audiência Pública para discutir a revisão da Lei do Zoneamento, prevista no Projeto de Lei (PL) 272/2015, registraram insatisfação com o adensamento previsto para região da Av. Prof. Luís Ignácio de Anhaia Mello, classificada como ZEU (Zona Eixo de Estruturação Urbana) no projeto.

De acordo com o morador Arlindo Amaro dos Santos, o projeto deve prejudicar a mobilidade do bairro. “A Anhaia Melo é um via que já esta congestionada, se trouxeram mais moradias para esta região será duplicado o numero de carros. Imagina nos dias chuvosos quando acontecem alagamentos, a situação será muito pior com esse adensamento. Acho que antes de tudo devem ser feitos esses estudos”, afirmou.

Os distritos de São Lucas e Vila Prudente somam cerca de 250 mil habitantes. Em boa parte do território estão previstas ZM (Zona Mista), onde são permitidas atividades de comércio e residenciais, além das ZC (Zona de Centralidade) e de ser contornada por ZEU próxima a Linha Verde do Metrô, que são áreas que devem permitir adensamento e atividade econômica elevada.

“Hoje a verticalização da região ainda é muito pequena e essas zonas do Eixo de Transformação previstas no projeto trabalham no sentido de trazer mais desenvolvimento social e econômico para esses bairros. Serão construções de 28m de altura e duas vezes o território do terreno que facilitaram e qualificam esses comércios”, explicou o relator do projeto, vereador Paulo Frange (PTB).

Alguns moradores também acreditam que as classificações de áreas de ZEIS (Zona Especial de Interesse Social) na classificação 5, para famílias com renda de até seis salários mínimos, no entorno da principal avenida deve prejudicar a qualidade de vida dos moradores. “Esse adensamento com essas moradias podem gerar, além da especulação imobiliária na região, a superlotação no atendimento dos equipamentos públicos. Hoje já temos dificuldades com falta de creches, postos de saúde, áreas verdes e de lazer. Com o crescimento da população isso deve piorar”, manifestou o conselheiro participativo Osmar Lemos dos Santos.

A vereadora Edir Sales (PSD) concordou com a reivindicação. “As ZEIS são muito importantes, são fundamentais, mas em locais específicos, não no entorno da (Av.) Anhaia Melo, assim como foi aprovado pelo PDE (Plano Diretor Estratégico)”, reassaltou.

A audiência da Comissão de Política Urbana, Metropolitana e Meio Ambiente da Câmara foi presidida pelo vereador Gilson Barreto (PSDB),  e contou com a presença de cerca de 60 pessoas.

“Estaremos sempre dispostos a ouvir a população, seja qual for seu segmento. Ainda teremos mais 16 audiências públicas para continuar ouvindo a população de toda a cidade e nossas ferramentas online, a comissão e nossos gabinetes, estarão à disposição para receber as demandas de todos para construímos um plano completo para nossa cidade”, ressaltou o presidente da Comissão.

Uma Contribuição

Maria Duarte

Participei da reuniâo e proponho a abrangência de Zona Mista na Rua Mario Augusto do Carmo, visto que é uma rua de transição, onde temos comércio de serviços como dentista, escola infantil, pet, cabeleireiro estes que não atrapalham os moradores locais, pelo contrário tem serviços mais próximos não tendo que se deslocarem do bairro, precisamos regularizar nossos estabelecimentos junto a PMSP com alvará de funcionamento.

Contribuições encerradas.

Veja também