Impacto da pandemia no transporte escolar é debatido na Comissão de Trânsito 

Afonso Braga | REDE CÂMARA

Reunião ordinária da Comissão de Trânsito, Transporte e Atividade Econômica desta quarta-feira (7/4)

MARIANE MANSUIDO
HOME OFFICE

Em reunião nesta quarta-feira (7/4), a Comissão de Trânsito, Transporte e Atividade Econômica discutiu o impacto da pandemia no setor de transporte escolar na capital paulista. Com a suspensão das aulas presenciais, os condutores foram diretamente afetados economicamente.

Para buscar soluções e caminhos que possam amenizar os efeitos da crise nesse setor, os parlamentares aprovaram o requerimento, de autoria do vereador Adilson Amadeu (DEM), que cria um comitê intersecretarial para tratar do tema. O comitê deverá buscar alternativas, como oferta de linhas de crédito e liberação dos veículos de transporte escolar para outras atividades, em caráter excepcional e sem prejuízo aos condutores, entre outras responsabilidades.

“Muitos condutores escolares não conseguem levar uma alimentação para dentro de casa e nem pode ter desvio de função por ser transporte escolar. É o momento de pensar em quem está morrendo de fome”, argumentou Amadeu.

A Comissão também aprovou outro requerimento, do vereador Camilo Cristófaro (PSB), que autoriza os condutores escolares a utilizar seus veículos para outros tipos de fretamento público e particular enquanto perdurar a pandemia, desde que autorizado pelo órgão municipal de transporte público.

A solicitação considera que os transportadores escolares são uma das categorias mais afetadas economicamente pela pandemia, sem poder exercer outra atividade. “É preciso olhar nesse momento para aqueles que estão vivendo uma situação trágica”, justificou Cristófaro.

Para o presidente do colegiado, vereador Senival Moura (PT), é preciso priorizar a vida dos munícipes. “O povo do Brasil está passando necessidade. A preocupação hoje é salvar vidas. Não adianta só gerar empregos, isso é importante, mas para trabalhar é preciso ter vida”, declarou.

Também estiveram presentes à reunião os vereadores Danilo do Posto de Saúde (PODE), João Jorge (PSDB), Marlon Luz (PATRIOTA) e Ricardo Teixeira (DEM).

7 Contribuições

JAMES VESPASIANO

Nos transportamos crianças especiais e fomos esquecidos pelo governo o ligado pede socorro

Responder
Antonio Carlos Marostegon

O transporte ligado que presta serviço para a educação do estado de São Paulo também está sem remuneração e sem nenhuma ajuda de custo pelo governo de São Paulo.

Responder
heiwaiko sanpei

Sou transportador LIGADO estamos a 1 ano sem remuneração pagando os encargos sociais, impostos para não perder o meu cadastro, sem direito a ao auxilio emergencial e nem a empréstimos, estamos a beira da loucura da depressão com sustento de família e dívidas.

Responder
VANDERLEI MENDES DE VASCONCELOS

O transportador Escolar AUTÔNOMO está a mais de um ano sem trabalhar sem nenhum tipo de auxílio. É essencial se criar alguma atividade para essa classe esquecida queremos Trabalhar!!

Responder
Valdecir

Senhores do governo olhai pela a nossa categoria LIGADO por causa da pandemia estamos a maís de um ano parados e sem receber nenhum auxilo do governo, as famílias pede SOCORRO

Responder
Damaceno

O transportador Escolar está praticamente a 1 Ano sem receber dos pais,sem nenhum recurso,sem um auxílio Emergencial que possa nos ajudar, agora precisamos que a prefeitura insenti todas as taxas até o final do ano e criar serviços para que possamos trabalhar ,EX: transporte coletivo, serviço na prefeitura, etc

Responder
Celso Rossignoli

O transportador Escolar AUTÔNOMO está a mais de um ano sem trabalhar sem nenhum tipo de auxílio. Muitos passando fome e ninguém olha para esta categoria.

Responder

Este é um espaço de livre manifestação. É dedicado apenas para comentários e opiniões sobre as matérias do Portal da Câmara. Sua contribuição será registrada desde que esteja em acordo com nossas regras de boa convivência digital e políticas de privacidade.

Nesse espaço não há respostas - somente comentários. Em caso de dúvidas, reclamações ou manifestações que necessitem de resposta clique aqui e fale com a Ouvidoria da Câmara Municipal de São Paulo.

 Deixe uma resposta para Antonio Carlos Marostegon Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também