Pular para o conteúdo Pular para o rodapé Pular para o topo
Este é um espaço de livre manifestação. É dedicado apenas para comentários e opiniões sobre as matérias do Portal da Câmara. Sua contribuição será registrada desde que esteja em acordo com nossas regras de boa convivência digital e políticas de privacidade.
Nesse espaço não há respostas - somente comentários. Em caso de dúvidas, reclamações ou manifestações que necessitem de respostas clique aqui e fale com a Ouvidoria da Câmara Municipal de São Paulo.

CCJ dá aval a Projeto de Reforma da Previdência dos servidores municipais

Por: DOUGLAS MATOS - DA REDAÇÃO

14 de março de 2018 - 21:09

André Bueno/CMSP

O projeto de Reforma da Previdência dos servidores municipais recebeu parecer favorável da CCJ

A CCJ (Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa) da Câmara Municipal de São Paulo aprovou, nesta quarta-feira (14/3), o parecer favorável ao Projeto de Lei (PL) 621/2016, do Executivo, sobre mudanças no sistema previdenciário municipal. Entre as medidas, a proposta prevê a criação de uma previdência complementar e altera a alíquota de contribuição de 11% para 14% – podendo chegar a mais de 18%, dependendo da faixa salarial.

O relator, Caio Miranda (PSB), disse que o texto recebeu mudanças importantes em relação à proposta original do governo, principalmente sobre a alíquota suplementar de 5%. Agora, de acordo com o parlamentar, somente quem ganha além do teto do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) – R$ 5.645,80 – irá contribuir com mais do que 14%.

“O servidor só vai pagar os 5% de alíquota suplementar quando ele ultrapassar o teto do INSS, caso contrário a contribuição será de 14%. Além disso, a cobrança suplementar vai incidir somente na faixa que ultrapassar esse teto. Por exemplo, se hoje ele tem um salário de R$ 7.645,00, então ele passa a pagar mais 5% sobre os R$ 2 mil excedentes. É claro que ainda assim será um valor significativo, mas meu relatório isentou 120 mil servidores da alíquota suplementar. Não é pouca coisa”, disse.

O líder do governo na Câmara, João Jorge (PSDB), elogiou o parecer. “O vereador Caio apresentou um bom relatório. Ele tirou um dos pontos que mais preocupavam os servidores, que era aquele escalonamento de alíquotas. Porque antes, além da cobrança de 14%, o texto original permitia que os descontos atingissem parte dos que ganham abaixo do teto do INSS. Agora aliviou bastante”, afirmou.

Apesar da mudança, o vereador Professor Cláudio Fonseca (PPS) manteve o tom de crítica ao Projeto. Para ele, os servidores municipais vão continuar prejudicados.

“Porque a alíquota hoje é de 11%. E o relator manteve a proposta do governo que fixa a alíquota mínima em 14%. Ou seja, de uma forma ou de outra, vai cobrar mais de todos, incluindo quem recebe acima do teto. Então, é um Projeto que vai aumentar a arrecadação do Tesouro sobre o salário dos servidores. Isso nós chamamos de confisco”, disse.

Votação

O parecer do vereador Caio Miranda teve o aval de cinco vereadores da Comissão: André Santos (PRB), Edir Sales (PSD), João Jorge (PSDB), Caio Miranda (PSB) e Sandra Tadeu (DEM). Três parlamentares declararam voto contrário: Reis (PT), Celso Jatene (PR) e Professor Cláudio Fonseca (PPS). O presidente do Colegiado, Aurélio Nomura (PSDB), não teve o voto registrado.

Luiz França/CMSP

Vereadores debateram o tema no Salão Nobre

Tumulto

A reunião da CCJ começou às 13h e lotou o Salão Nobre da Casa. Durante a leitura do relatório, no entanto, houve um tumulto envolvendo manifestantes que acompanhavam a Sessão. Por questões de segurança, o Colegiado teve de transferir os trabalhos para o Plenário 1º de Maio. A apreciação do Projeto foi retomada após às 14h. O público pode continuar a assistir o processo de leitura e votação das galerias.

Nota da Câmara sobre a Audiência Pública:

“A assessoria de Imprensa a Presidência da Câmara Municipal de São Paulo informa que a Presidência da Casa atuou desde o princípio para garantir o amplo debate democrático do PL 621/16. Tanto que assegurou o acesso de manifestantes ao plenário onde ocorria a reunião da CCJ e ao auditório externo até a lotação máxima dos dois espaços, para garantir a segurança de todos, inclusive dos próprios manifestantes. Eventuais excessos das forças de segurança que atuam dentro do Legislativo serão apurados”.

Outras notícias relacionadas

Ícone de acessibilidade

Configuração de acessibilidade

Habilitar alto contraste:

Tamanho da fonte:

100%

Orientação de acessibilidade:

Acessar a página Voltar