Capital cria abrigos emergenciais para receber população em situação de rua em dias de baixas temperaturas

KAMILA MARINHO 
HOME OFFICE

Com a chegada de uma frente fria que, segundo o CGE (Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas) registrou novos recordes de baixa temperatura na capital, uma  força-tarefa da Prefeitura de São Paulo foi criada para reforçar o acolhimento à população em situação de rua. Essa ação conta com a participação da Secretaria Municipal de Direitos Humanos, Defesa Civil e Guarda Civil Metropolitana.

Foram montadas cinco tendas em pontos estratégicos, para distribuição de sopa, cobertores, agasalhos e kits de higiene em diferentes regiões da cidade. Os pontos escolhidos foram a Praça da Sé (região Central), Praça Princesa Isabel (Luz), Largo da Concórdia (Mooca), Praça Salim Farah Maluf (Santo Amaro) e Praça Miguel Dell’erba (Lapa).  

A previsão é a de fornecer cinco mil pratos de sopa por noite nessas tendas, além da distribuição de 3,2 toneladas de agasalhos e cobertores oferecidos numa parceria entre a Prefeitura e a Cruz Vermelha, além de kits de higiene. 

Acolhimento:

Equipes do Programa Consultório na Rua, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Saúde em parceria com o Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto, farão visitas à essas tendas de acolhimento emergencial para eventuais atendimentos médicos a quem estiver necessitando. Também serão disponibilizados ônibus para transportar as pessoas que desejarem ser acolhidas e pernoitar nos centros oferecidos pela Prefeitura. 

A SMADS (Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social) disponibilizou mais 817 vagas para abrigar a população em situação de rua, que se somam às 340 já disponíveis dentro da Operação Baixas Temperaturas.

As novas vagas estarão assim distribuídas:

100 vagas mistas no Centro de Acolhida Guaianases,

120 vagas para idosos no Centro de Acolhida Especial Belém,

60 vagas no Centro de Acolhida Campo Limpo,

60 vagas no Núcleo de Convivência Chá dos Padres (centro),

32 vagas para famílias no Centro de Acolhida Especial instalado no Hotel Natal (centro),

75 vagas para famílias no Hotel Rivoli (centro),

80 vagas para famílias no Hotel Downtown (centro)

50 vagas para idosos no Hotel Nobilis (centro).

Serão 100 vagas a mais no Centro Esportivo Pelezão (Lapa) e outras 140 vagas que serão acrescidas em vários centros já existentes espalhados pela cidade.

 

Inverno Solidário

Por meio da campanha Inverno Solidário, o governo estadual vai entregar 83 mil cobertores térmicos, 2,3 mil agasalhos e 23 mil pares de meias a municípios de diversas regiões. As doações já em andamento foram intensificadas como parte do programa Noites Solidárias, lançado pelo governo do Estado em razão da forte onda de frio que chegou em São Paulo. Serão abertas duas mil vagas em alojamentos provisórios a serem instalados em 134 cidades do Estado; um investimento de R$ 3,7 milhões.

 

Abrigos emergenciais

Na capital, o governo de SP instalou um abrigo provisório com capacidade para 400 pessoas na estação do Metrô Pedro II (linha vermelha, próximo à praça da Sé). Até 31/7, o abrigo exclusivamente masculino, vai disponibilizar alimentação, água potável, colchões, cobertores e 20 banheiros químicos entre 20h e 8h.

A segurança da região e dentro da estação está reforçada pela Secretaria de Segurança Pública e pela Guarda Civil Metropolitana. Uma equipe do Padre Júlio Lancelotti irá pernoitar com os abrigados, em todas as noites, para auxiliar no acolhimento dos abrigados.

As ações do programa Noites Solidárias envolvem as Secretarias de Desenvolvimento Social, Logística e Transportes, Segurança Pública, Fundo Social de São Paulo, Defesa Civil, Sabesp e o Exército Brasileiro.

O governo estadual informou que a Rede de restaurantes Bom Prato irá servir três mil sopas por noite, gratuitamente, até o fim de agosto. As unidades são do Brás, São Mateus, Perus, Capão Redondo e Santana, na Capital, e nos municípios de São José dos Campos, Taubaté, Ferraz de Vasconcelos, Taboão da Serra e Itapevi. A medida da gratuidade para a população em situação de rua está prorrogada também até o final do mês.

 

Como a população pode ajudar

Nesse período de baixas temperaturas, as abordagens às pessoas em situação de rua são intensificadas para acolhimento quando os termômetros marcarem menos de 13°.   A população pode ajudar as pessoas em situação de rua solicitando uma abordagem social por meio da Central 156 (ligação gratuita, opções 0 + 3), que funciona 24 horas. A solicitação pode ser anônima, e é importante informar o endereço da via em que a pessoa em situação de rua está (o número pode ser aproximado), citar pontos de referência, além de características físicas e detalhes de como a pessoa a ser abordada está vestida.

As doações de cobertores, roupas e alimentos às populações de rua podem ser feitas através de ONGs, instituições civis, religiosas, coletivos e projetos sociais. Igrejas e os governos estaduais e municipais também administram abrigos para a população de rua. 

 

Leia também: Baixas temperaturas: confira as orientações para enfrentar os dias mais frios

Este é um espaço de livre manifestação. É dedicado apenas para comentários e opiniões sobre as matérias do Portal da Câmara. Sua contribuição será registrada desde que esteja em acordo com nossas regras de boa convivência digital e políticas de privacidade.

Nesse espaço não há respostas - somente comentários. Em caso de dúvidas, reclamações ou manifestações que necessitem de resposta clique aqui e fale com a Ouvidoria da Câmara Municipal de São Paulo.

 Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também