Audiência pública na Câmara Municipal discute obras de complexo viário no Tatuapé

Juvenal Pereira
Audiência CCJLP
Secretário-adjunto da SIURB, Marcos Penido (foto), é o responsável por tocar as obras do Complexo Viário Padre Adelino

 

Nesta quarta-feira (22/10), a Comissão de Constituição, Justiça e Legislação Participativa realizou audiência pública para discutir com a população o andamento das obras do Complexo Viário Padre Avelino, no bairro do Tatuapé, na zona leste da cidade. A reunião, no Salão Nobre da Câmara Municipal de São Paulo, contou com a presença do secretário-adjunto da Secretaria Municipal de Infra-Estrutura e Obras (SIURB), Marcos Penido, que explicou a engenharia do projeto.
 
De acordo com o projeto, dois novos viadutos serão concluídos sobre a Avenida Salim Farah Maluf, além de alças de acesso adicionais. O anel viário, previsto para ficar pronto no final de 2009, visa a melhorar o tráfego de veículos na Radial Leste.
 
Durante a audiência, os moradores manifestaram-se preocupados de que a obra prejudique o acesso à escola estadual localizada nas proximidades. A ponte partirá justamente da Rua Padre Adelino. "Não vai resolver. Com o crescimento, prejudicará ainda mais, porque você sai numa Rua Padre Adelino, que é estreita e já é entupida de trânsito, e leva pro outro lado, que é pior ainda. Ela não tem uma ligação com uma avenida grande, ela morre numa praça”, justifica Antônio Assumpção, morador do bairro há 54 anos. 
 
 Penido tranquilizou os moradores. “O viaduto não atrapalhará o acesso à escola. A passagem de pedestres da Avenida Salim Farah Maluf não será fechada e, inclusive, será melhorada, porque as pessoas vão poder passar através do viaduto. Haverá uma faixa em que elas vão poder atravessar com segurança e não como hoje, que as pessoas não têm paciência para atravessar, não esperam o sinal fechar e colocam em risco a própria vida”, esclareceu.
 
“O viaduto está sendo construído e não recebemos visita de nenhum engenheiro, de ninguém da Prefeitura. Nós não sabemos sequer se vamos ser desapropriados ou não”, declarou a moradora Regina Guelfi.
 
O secretário Marcos Penido respondeu à manifestação da moradora. “Nós pedimos para reduzir ao máximo as desapropriações, porque tem pessoas que moram lá há 40, 50 anos. O custo da desapropriação não vai impactar no custo final da obra.”
 
O vereador Celso Jatene (PTB) requereu que a SIURB enviasse cópia do projeto para que a população interessada possa consultá-lo na Comissão de Justiça.
 
Segundo o projeto, ainda, a Avenida Pires do Rio deverá ser alargada, a Avenida Salim Farah Maluf não será interrompida com as obras e a Rua Padre Adelino não será alargada.
 
“Parte da população local não concorda com o custo da obra, com o projeto em curso e querem fazer alterações. Nós estamos possibilitando que, nesse diálogo aqui na Câmara, os moradores possam expressar diretamente ao Poder Executivo o seu descontentamento. Ao mesmo tempo, nós estamos colhendo informações para continuar cumprindo essa nossa função, que é fiscalizar o Poder Executivo. É uma obra cara, começa com quase 70 milhões de reais. Mas, pelo que eu entendo, ela não custará menos do que 100 milhões de reais, ao final do processo. Portanto, é justo que os moradores e os vereadores queiram fiscalizar efetivamente a execução desse projeto”, frisa o presidente da CCJLP, vereador João Antônio (PT).
 
Compuseram a mesa da audiência pública os vereadores João Antônio, Celso Jatene e Átila Russomano (PP).

Imagens para download:
Juvenal Pereira
Audiência CCJLP
Antônio Assumpção, do Rotary Tatuapé (foto), não está satisfeito com a obra
Juvenal Pereira
Audiência CCJLP
“Obra não custará menos do que R$ 100 milhões”, acredita o vereador João Antônio (PT) [foto]
Juvenal Pereira
Audiência CCJLP
“Viaduto não atrapalhará acesso à escola”, assegura Marcos Penido (foto), da SIURB

Veja também