100 anos da Biblioteca da Câmara Municipal de São Paulo

MARCO ANTONIO CALEJO
DA REDAÇÃO

As fotos em branco e preto e os textos escritos à mão estão gravados na história. Nas últimas décadas, muitas páginas foram viradas na cidade – e os casos continuam sendo narrados nos livros de ciência, cultura, política e literatura. Nos volumes do acervo, também são encontradas curiosidades, arte e legislação.

Ao longo dos 100 anos da Biblioteca da Câmara Municipal de São Paulo, os fatos da capital paulista foram registrados em uma coleção especial. No início, o espaço servia para os vereadores e todas as repartições municipais. À época, era possível apenas consultar arquivos públicos e livros diários.

Nas entrelinhas relatadas em documentos por vereadores daquele período, por volta de 1914, a sede da Biblioteca seria instalada na Rua do Tesouro. O local não oferecia estrutura adequada. Foi quando, em 30 de outubro de 1919, a Lei n° 2.239 determinou que a Biblioteca ficasse subordinada à Câmara Municipal de São Paulo, não mais à prefeitura.

Após mudanças de endereço, em 1975, a Biblioteca foi instalada no Palácio Anchieta, onde passou por um processo de modernização, sua estrutura foi reformulada, com a profissionalização da equipe e o aumento do acervo. Surgiram aí os primeiros passos rumo à informatização.

No início do ano 2000, o trabalho consolidou-se na manutenção da base de dados, digitalização do acervo, revisão, higienização e restauração, em especial de documentos históricos.

No vídeo abaixo, é possível voltar no tempo, reviver a época em que a Biblioteca foi criada. Em cada capítulo dessa história, um momento especial. O espaço comemora hoje um século de vida, trazendo à tona o significado da leitura como verdadeira fonte de conhecimento.

Veja também