Por que a produção de uma vacina para o novo coronavírus pode demorar tanto?

DANIEL MONTEIRO
HOME OFFICE

Enquanto o mundo luta contra a pandemia do novo coronavírus (causador da Covid-19), os países afetados já discutem como se dará a volta à rotina com o fim das medidas de distanciamento e isolamento social.

A grande preocupação gira em torno de como prevenir novos surtos da doença e minimizar suas consequências para a sociedade. E o consenso geral da comunidade científica é que a descoberta de uma vacina, que ainda não existe, é o modo mais eficaz de garantir a imunidade da população contra a Covid-19.

Atualmente, diferentes países, órgãos internacionais de saúde, centros de pesquisa e universidades já estão desenvolvendo pesquisas na área. Nos últimos dias, por exemplo, líderes mundiais prometeram na ONU (Organização das Nações Unidas) disponibilizar 7,4 bilhões de euros para apoiar o estudo e o desenvolvimento de medicamentos e vacinas contra a Covid-19.

ETAPAS DE PRODUÇÃO

Apesar do esforço internacional, a previsão mais otimista é de que uma vacina eficaz contra o novo coronavírus demore de 12 a 18 meses para ser produzida e só estará disponível para a população em 2021.

A demora se deve ao fato de que pesquisas de novos medicamentos desenvolvidos para humanos devem respeitar um rígido protocolo de testes clínicos e revisões científicas que confirmem sua eficácia contra a doença. Só depois dessa comprovação é que recebem autorização dos órgãos regulatórios para serem produzidos.

Em geral, o desenvolvimento de novos medicamentos e vacinas começa com estudos pré-clínicos realizados em amostras de células e em diferentes cobaias. Caso o resultado seja positivo, são iniciados os testes clínicos em humanos, que são divididos em três fases.

A primeira consiste na aplicação do protótipo do medicamento em uma pequena quantidade de pessoas, que serão examinados cuidadosamente. O objetivo é avaliar a ocorrência de alguma reação, como uma alergia ou outro problema ainda mais sério, e se houve alguma resposta do sistema imunológico do organismo à Covid-19.

Se tudo correr bem, a segunda fase começa com a seleção de algumas centenas de pessoas, que vão receber o protótipo da vacina, para analisar se ela realmente consegue criar imunidade contra o novo coronavírus.

Nessa etapa, os pesquisadores verificam a resposta de indivíduos com características diferentes entre si, de forma a observar se o produto se comporta da mesma maneira em todos eles.

Também são avaliadas a segurança, a eficácia e a capacidade da possível vacina de produzir anticorpos. Como a quantidade de voluntários é maior, o tempo necessário para analisar os resultados também aumenta.

A terceira e última etapa é considerada a mais complexa e consiste em realizar testes em grande escala, com milhares de pessoas, para confirmar a eficiência e a segurança identificadas anteriormente.

A aplicação de doses de um protótipo de medicamento em milhares de voluntários facilita a identificação do aumento da ocorrência de algum efeito adverso, que podem variar de pessoa para pessoa.

Só então, caso tudo ocorresse bem ao longo dessas três fases, é que o protótipo poderia ser considerado uma vacina e poderia começar a ser produzido. Ainda assim, a produção em larga escala de milhões de doses pode levar meses e, mesmo pronta, a vacina continuaria sendo monitorada.

Fontes: OPAS, OMS, ONU, Fiocruz

* Este conteúdo e outros conteúdos especiais podem ser conferidos no hotsite Coronavírus

Deixe uma resposta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também