Câmara prorroga inscrições do Prêmio Milton Santos 2018

DA REDAÇÃO

O Prêmio Milton Santos, da Câmara Municipal de São Paulo, teve as inscrições prorrogadas até 27/4. A premiação foi criada com o objetivo de reconhecer e valorizar projetos de desenvolvimento social, incluindo a ampliação de direitos territoriais e culturais, além de trabalhos que resultem em novas formas de solidariedade comunitária: promoção da saúde, estímulo à arte, fomento à geração de renda e inclusão social.

O nome da premiação é uma homenagem da Câmara Municipal de São Paulo a um dos mais importantes geógrafos brasileiros. As ideias de Milton Santos modificaram os conceitos de território e globalização, sempre com enfoque no espaço de convivência local por meio da ‘dimensão humana’.

Como funciona

O Prêmio contempla duas categorias: a primeira leva em conta iniciativas que estimulem a interação e a participação do cidadão nos processos de organização de sua região. Já a segunda prioriza o aspecto político dos territórios, sempre com propostas que resultem em formas de solidariedade social.

Os projetos da edição 2018 do Prêmio Milton Santos serão avaliados por uma comissão julgadora constituída por representantes das áreas de desenvolvimento econômico, social e urbano, administração, finanças públicas e cultura.

O julgamento dos trabalhos levará em conta quesitos como mérito, abrangência, estímulo à organização e à participação comunitária.

As inscrições devem ser feitas até o dia 27 de abril. O formulário pode ser baixado aqui. Podem participar pessoas físicas, grupos informais ou pessoas jurídicas, OSCs (Organizações da Sociedade Civil), associações e empresas.

A Sessão Solene de premiação será no dia 22 de junho, na Câmara Municipal de São Paulo.

Sobre Milton Santos 

Milton Santos foi professor emérito da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) da Universidade de São Paulo (USP), laureado com o Prêmio Internacional de Geografia Vautrin Lud. Também recebeu o título de Doutor Honoris Causa de várias universidades do Brasil e de outros países.

Em 1964, com o golpe militar, foi preso e, mais tarde, exilado, dando início a uma carreira internacional. Instalou-se na França, onde desenvolveu estudos sobre a geografia urbana de países pobres.

Lecionou também na América do Norte, Peru, Venezuela e na Tanzânia (África). De volta ao Brasil em 1978, foi professor visitante da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (FAU) da USP.

Em 1983, ingressou no Departamento de Geografia da FFLCH. Atualmente é reconhecido como um dos nomes mais emblemáticos da história acadêmica brasileira.

Serviço

Prêmio Milton Santos 2018
Data: até 27 de abril
Inscrições pelo Site – clique aqui.
E-mail: premiomiltonsantos@saopaulo.sp.leg.br

Deixe uma resposta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também