Orçamento da Assistência Social vai priorizar atendimento aos moradores em situação de rua

DA REDAÇÃO

A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social conta com recurso orçamentário para 2018 de pouco mais de R$ 136 milhões (R$ 136.484.628,00). Além desses recursos, a pasta tem outra fonte de recursos que é o Fundo Municipal de Desenvolvimento Social (FMAS) de R$ 1,15 bilhão. Com essas duas rubricas, o relator do Orçamento na Câmara Municipal de São Paulo, o vereador Ricardo Nunes (MDB) acredita que a Assistência e o Desenvolvimento Social estão muito bem servidos. Ele ressalta que a grande preocupação da pasta expressada no Orçamento 2018 é com os moradores em situação de rua.

“Existe um foco muito grande da Secretaria para essa questão social, por isso estão previstas aberturas de mais CTAs (Centros Temporários de Acolhimento). E também há recursos da Assistência Social que vem do Governo Federal, portanto é questão de uma boa gestão para dar um bom resultado.”

Também há no Orçamento 2018 recursos especificados, por exemplo, para a reforma de espaço onde será instalado um Centro de Referência do Idoso, no Cambuci. E estão programados R$ 100 mil para esse fim.

A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social também contará com R$ 2 milhões para a implantação da Casa da Mulher Brasileira, um projeto federal que pretende criar um espaço integrado e humanizado de atendimento às mulheres em situação de violência.

A Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS) possui serviços de referência, responsáveis por assegurar a qualidade das ofertas da rede parceira, composto por 54 Centros de Referência de Assistência Social (CRAS), 30 Centros de Referência de Assistência Social (CREAS), seis Centros POP e uma Central de Atendimento Permanente e de Emergência (CAPE).

Além destes, segundo dados do Observatório de Políticas Públicas, a Secretaria possui rede pública de assistência social composta por 1.280 serviços conveniados, com 378 Organizações da Sociedade Civil, que ofertam 225.319 vagas registrando, assim, uma das maiores redes de serviços socioassistenciais da América Latina.

Veja também