Nos 50 anos do golpe, Comissão da Verdade ouve vítimas da repressão

Em repúdio aos 50 anos do golpe de 64, que depôs o presidente João Goulart e instaurou uma ditadura militar no país, a Comissão da Verdade realiza uma série de atividades para debater e colher depoimentos de vítimas da repressão.

Neste sábado (29/3), uma Audiência Pública no Jardim Ângela vai lembrar os 35 anos da morte do metalúrgico Santos Dias da Silva, militante morto durante a greve dos metalúrgicos na zona sul da capital. Presidida pelo vereador Gilberto Natalini (PV), a sessão pretende ouvir pessoas que sofreram com a repressão política na capital.

Aberta a toda a população, a audiência será realizada na Sociedade Santos Mártires (Rua Luiz Bladinato, nº 9 – Jardim Ângela), a partir das 15h.

Na segunda-feira (31/3), a Câmara realiza uma solenidade especial na sala da presidência para marcar a continuação dos trabalhos da Comissão da Verdade Vladimir Herzog, prorrogada até dezembro por Projeto de Resolução (PR) aprovado pelos vereadores.

No dia 1 de abril, uma sessão especial vai discutir o golpe de 64 e o movimento estudantil. Foram convidados para prestar depoimentos o ex-governador José Serra, que era presidente da UNE em 31 de março de 1964, e o jornalista e escritor Duarte Pereira, vice-presidente da UNE no fatídico dia.

A sessão acontece no plenário 1º de Maio, na Câmara, a partir das 12h.

(27/03/2014 – 17h18 – Atualizado às 19h35)

Veja também