Artigo – Coronavírus: Sem apoio durante a pandemia, instituições para idosos em SP temem verdadeiro massacre

Vereador Gilberto Natalini (PV)

No Estado de São Paulo existe mais de 1500 Instituições de Longa Permanência para Idosos (ILPI), que abrigam aproximadamente 30.000 idosos, só na capital paulista, são 423 ILPIs. A maioria dessas casas (65%) é filantrópica, assim como a maioria dos idosos (65%) que vivem nelas é semi-dependente ou dependente, ou seja, em condições de grande vulnerabilidade. Apenas 14 das 423 ILPIs têm controle sociosanitário por parte da Prefeitura.

Esse é um universo de pessoas muito vulneráveis, doentes e fragilizadas e essas instituições não são equipamentos de saúde, mas de assistência social; muitas não têm quadro de profissionais de saúde.

Sabe-se que pessoas com mais de 60 anos representam uma das faixas de risco para Covid-19, além de todas as doenças que esta população apresenta, o que aumenta ainda mais o risco de morte pelo coronavírus.

O abrigamento de idosos em São Paulo corre muito solto, e isso é temerário diante de uma pandemia na qual os idosos são os mais vulneráveis. Assistência e Saúde juntos precisam de um plano emergencial para atingi-los, ajudando com Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) como máscaras, aventais e luvas cirúrgicas e orientação profissional, além de recursos para que não haja uma consequência ainda pior.

Fui procurado por essas instituições e imediatamente, como membro e proponente do Comitê Civil contra o Coronavírus, cobrei providências urgentes das Secretarias de Saúde, Assistência Social e Direitos Humanos. Aguardo retorno da Prefeitura.

Gilberto Natalini, Médico e Vereador (PV-SP)

 

Veja também