Comissão da Verdade quer mudar forma de sepultamento em SP

Luiz França/CMSP
COMISSAO_DA_VERDADE-08102013-FRANCA-01313-72-ABRE

O Padre Júlio Lancelotti depôs em tom de denúncia na Comissão da Verdade nesta terça-feira (8/10). Militante dos direitos humanos, ele contou o que costuma ver nos sepultamentos de indigentes na cidade, e pediu que os vereadores façam o mesmo, para atestar o que ele chamou de espetáculo impressionante.

Chega o caminhão baú, fechado, abrem as portas, e os corpos nus são todos despejados, afirmou, alegando que o procedimento é o mesmo desde a época da ditadura.

Para o padre, moradores de rua têm os direitos negados na vida e na morte. A democracia não chegou para eles, concluiu. A situação ainda é mais preocupante pois os mortos passam a ter valor comercial com o tráfico de órgãos. Nossa preocupação é o que é feito com os órgãos dessas pessoas. Vi muitos chegarem empalhados internamente e é sabido que há um mercado internacional de hipófise (glândula localizada na base do cérebro).

O vereador Natalini (PV), presidente da Comissão da Verdade, disse que é unânime entre os membros do colegiado que o sepultamento em São Paulo ocorre de forma cruel e brutal. Concordamos que é preciso mudar a forma como a sociedade paulistana encara sepultamento e morte de pessoas não identificadas, afirmou. Para Lancelotti, uma das formas de homenagear tantas pessoas que morreram de maneira violenta é tornando a cidade humana e digna.

Por ano, mais de 800 pessoas são sepultadas sem identificação. Somente em 2013, foram 360, enterrados nos cemitérios Dom Bosco, Vila Formosa I e II. (Thaís Lancman)

LEIA:

– Generais pediram a Sobel para não ir a ato ecumênico de Herzog

(8/10/2013 – 14h05)

Veja também