Câmara de SP define cronograma para votar a Reforma da Previdência

Galeria do Plenário será reaberta para a votação para garantir ampla transparência e participação popular

DA ASSESSORIA DE IMPRENSA

A Câmara Municipal de São Paulo definiu o cronograma de discussão e votações do projeto de lei da Reforma da Previdência (PLO 7/21), enviado pelo prefeito Ricardo Nunes (MDB) ao Legislativo.

No Colégio de Líderes desta terça-feira (5/10), ficou acertado que o PL será votado em primeiro turno na próxima quarta-feira (13/10).

Para que haja ampla transparência e participação popular, a galeria do Plenário da Câmara será reaberta ao público até o limite de 100 participantes, divididos em dois grupos iguais de 50 pessoas entre apoiadores e contrários à reforma.

“Será necessário apresentar o certificado de vacinação, uso de máscara, distanciamento e todos os cuidados sanitários. Serão 50 de cada lado para garantir liberdade de expressão aos que apoiam e aos que são contra o tema”, diz o presidente da Câmara, vereador Milton Leite (DEM).

Atualmente, a Câmara segue fechada para visitantes. Há acesso aos gabinetes de vereadores mediante agendamento prévio. As votações seguem de forma híbrida (com vereadores no Plenário e por videoconferência).

Comissão de Estudos

Antes, ainda nesta quinta-feira (7/10), será votada a criação da Comissão de Estudos sobre a reforma da Previdência. Serão sete membros a serem indicados de forma proporcional pelas bancadas.

A comissão terá 30 dias de duração e, após ouvir especialistas e os envolvidos no tema, deverá apresentar sugestões de aperfeiçoamento ao texto enviado pelo Executivo, para que as mudanças ocorram na votação em segundo turno. Esta segunda votação deverá ocorrer entre 9 e 12 de novembro.

“Vamos garantir espaços de discussão para todos os que têm posições antagônicas sobre a reforma. Julgo muito importante esta Comissão”, disse Leite.

Uma Contribuição

Clarice

Como pode um aposentado que já contribuiu com a previdência durante todo tempo que trabalhou e depois que se aposenta continuar a contribuir, sendo que em nenhum lugar isso acontece. E tirar abonada dos professores só vai fazer com que a situação de doença aumente mais, pois a abonada muitas vezes tiramos para ir ao médico,pense que essa reforma só vai piorar a educação no Brasil que já está uma “beleza “

Responder

Este é um espaço de livre manifestação. É dedicado apenas para comentários e opiniões sobre as matérias do Portal da Câmara. Sua contribuição será registrada desde que esteja em acordo com nossas regras de boa convivência digital e políticas de privacidade.

Nesse espaço não há respostas - somente comentários. Em caso de dúvidas, reclamações ou manifestações que necessitem de resposta clique aqui e fale com a Ouvidoria da Câmara Municipal de São Paulo.

 Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também