Câmara instala comissão para discutir projetos de lei vetados pela prefeitura

DA REDAÇÃO

A Câmara Municipal de São Paulo instalou nesta terça-feira (2/6) uma comissão para discutir a lista de projetos de lei vetados pela prefeitura. O legislativo paulistano tem atualmente 498 propostas de vereadores que receberam veto total ou parcial.

A pauta é tão extensa que os parlamentares que integrarão o colegiado deverão debater projetos apresentados na década de 90. Como o PL 824/1996, do vereador Arselino Tatto (PT), para a criação de escolas profissionalizantes no município.

“As sessões ordinárias ficam trancadas porque não se pode votar nada até se decidir o que será feito com os vetos. Por isso, os projetos devem ser votados em sessões extraordinárias”, explicou o vereador Laércio Benko (PHS).

Durante a reunião de instalação, os parlamentares presentes – Juliana Cardoso (PT), Adilson Amadeu (PTB), Benko e Andrea Matarazzo (PSDB) – decidiram que as lideranças dos partidos irão fazer um levantamento dos projetos em que haja consenso para derrubar os vetos.

Veja aqui a lista completa dos projetos que serão discutidos nessa comissão.

2 Contribuições

renato vasconcelos

projetos de 90 deveriam ser discutidos na sua respectiva data? nobres vereadores porque este retrocesso, nós estamos em vou repetir estamos em 2015 , no sexto mes dia 2 de junho , será que não tem nada de importante para ser aprovado leis e projetos para este ano e 2016 e entregar uma cidade mais decente, com transporte público de qualidade, uma fiscalização melhor nas áreas de proteção ambiental invadidas por barracos, cito na rua nova britania , perto da rede de tratamento da sabesp, onde na gestão kassab , ja tinha retirado e dado a eles todos bolsa aluguel e agora o mesmo local esta invadido, para cativeiro de sequestro , trafico de drogas, prostituição infantil, mato alto , vamos ser mais dinamicos nas atuações, nas proximidades do supermercado safra, existe uma pintura ridicula vermelha dizem que é uma ciclo faixa, me poupem impressionante, o custo que se pagou por uma estrutura que fizeram licitação se contratou ,empresas , gente , e pintaram uma extensão enorme para nada , parece que não tem engenheiro, um arquiteto e nem supervisão na sub prefeitura da capela do socorro, parece que só tem cabide de emprego . sem mais para o momento, não espere que irei me comover no ano que vem com propaganda enganosa nas eleições no ano que vem. sem marqueteiro , sem mais para o momento um cidadão indignado com esta gestão que só se propôs a dar emprego a ex candidatos derrotados pela sigla petista, e de um filho de mensaleiro e dar cargo comissionado em todas as sub prefeituras desta .

André Barreto

A comissão deveria discutir, inclusive, o porque demoraram quase 20 anos para aprovar a PL 824, citada na matéria. Debater também qual a relevância em derrubar veto a mais de 40 projetos que só tratam de denominações de órgãos e ruas (não há nada mais importante para fazer?).
Em relação à educação, há projeto que impõe a presença de fonoaudiólogo e auxiliar de enfermagem em cada escola! Isso falta até nos postos de saúde. Tais projetos foram analisados considerando os limites de gastos na LRF com a saúde? Esses profissionais não onerarão a folha da Educação.
Aproveitem e discutam também a constitucionalidade do Projeto de Lei 30/2007 que tem por objetivo decretar feriado municipal em razão da visita de líder religioso (não somos um Estado laico srs. vereadores?).
É entristecedor acompanhar o trabalho do legislativo.

Contribuições encerradas.

Veja também