Professores e profissionais da Educação, a partir de 40 anos, recebem dose adicional da vacina contra Covid-19 a partir desta terça

KAMILA MARINHO
HOME OFFICE

A Prefeitura de São Paulo começa nesta terça-feira (16/11, a vacinação da dose de reforço com o imunizante da Pfizer em professores e profissionais da Educação, em toda rede de vacinação do município de São Paulo.

A aplicação será feita nos profissionais com faixa etária entre 40 e 59 anos. A partir de 22/11 (próxima segunda), a vacinação será estendida para os que têm idade entre 18 e 39 anos. São esperados cerca de 210 mil profissionais.

Para receber a dose adicional é necessário um intervalo de ao menos seis meses desde a aplicação da segunda dose. Os profissionais da Educação deverão apresentar, em qualquer posto de vacinação, um documento que comprove o vínculo empregatício na rede de ensino. Além disso, também são necessários documento de Identificação, comprovante de endereço, e comprovante de vacinação físico ou digital.

Balanço da vacinação

Até esta terça-feira (16/11), foram aplicadas 20.868.925 doses de vacinas contra Covid-19, sendo 10.554.948 primeiras doses, 8.960.984 segundas doses, 327.972 doses únicas e 1.025.021 doses adicionais. A cobertura vacinal da população com mais de 18 anos está em 98,1% para quem tomou duas doses ou se imunizou com dose única da vacina contra Covid-19.

A Secretaria Municipal de Saúde  recomenda à população que acompanhe a disponibilidade de segundas doses dos imunizantes por meio da plataforma De Olho na Fila. A lista completa de postos pode ser encontrada na página Vacina Sampa.

Mais sobre o novo coronavírus 1

De acordo com o boletim diário mais recente publicado pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo sobre a pandemia do novo coronavírus, até esta segunda (15/11), a capital paulista totalizava 38.988 vítimas da Covid-19. Havia, ainda, 1.538.869 casos confirmados de infecções pelo novo coronavírus.

Abaixo, gráfico detalhado sobre os índices da Covid-19 na cidade de São Paulo.

Prefeitura de SP

Em relação ao sistema público de saúde, os dados mais recentes mostram que a taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) destinados ao atendimento de pacientes com Covid-19 na região metropolitana de São Paulo, nesta terça-feira (16/11), é de 28,3%.

Nesta terça (15/11), o índice de isolamento social na cidade de São Paulo foi de 46%. A medida é considerada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e autoridades sanitárias a principal forma de contenção da pandemia do novo coronavírus.

A aferição do isolamento é feita pelo Sistema de Monitoramento Inteligente do Governo de São Paulo, que utiliza dados fornecidos por empresas de telefonia para medir o deslocamento da população e a adesão às medidas estabelecidas pela quarentena no Estado.

Mais sobre o novo coronavírus 2

Um estudo científico publicado na última semana por pesquisadores chineses do Centro de Controle e Prevenção de Doenças e da Universidade Médica Capital, ambos de Pequim, evidencia que a resposta imune humoral e celular induzida pela CoronaVac, vacina do Butantan e da Sinovac contra a Covid-19, permanece por um ano no organismo.

Foram analisados 150 voluntários, com idades entre 18 e 59 anos, que receberam as duas doses da vacina com 14 dias de intervalo. Para poder verificar a evolução do panorama imunológico dos participantes, amostras de sangue foram coletadas antes do recebimento da primeira dose da vacina, assim como decorridos um, três, seis e 12 meses após a segunda dose.

Os cientistas constaram que, um mês após a imunização completa, os anticorpos de ligação e os anticorpos neutralizantes surgiram rapidamente. A taxa soropositiva de anticorpos de ligação foi de 99% e a taxa de soroconversão de anticorpos neutralizantes foi de 50%. Do terceiro até o 12º mês após a imunização, houve uma ligeira diminuição ao longo do tempo nos anticorpos neutralizantes e anticorpos de ligação. Aos 12 meses, porém, os anticorpos de ligação e os neutralizantes ainda eram detectáveis.

Atuação do município

Foram desativados no fim da tarde da última sexta-feira (12/11), os megapostos Galeria Prestes Maia, Sesi AE Carvalho, Clube Hebraica, Shopping Jardim Sul, Jardim Ângela e o megaposto/drive-thru Club Athletico Paulistano. Essas unidades haviam sido montadas, exclusivamente, para vacinação contra a Covid-19.

Na região do mega posto Galeria Prestes Maia, a unidade de referência a partir de agora é a UBS (Unidade Básica de Saúde) República, localizada em frente à galeria. Já nas proximidades da unidade Sesi AE Carvalho, as opções são as UBSs AE Carvalho e São Nicolau.

Na região do mega posto Clube Hebraica e na do mega posto/drive-thru Club Athletico Paulistano, as alternativas para a população são as UBSs José de Barros Magaldi, Jardim Edite, Mário Francisco Napolitano – Meninópolis e o Centro Saúde Escola Geraldo de Paula Souza.

O púbico que utilizava o mega posto Shopping Jardim Sul tem como opção o drive-thru Shopping Campo Limpo. Já na área do mega posto Jardim Ângela, as alternativas são as UBSs Santa Lúcia, Jardim Caiçara, e Jardim Nakamura.

 

*Este conteúdo e outros conteúdos especiais podem ser conferidos no hotsite Coronavírus

Este é um espaço de livre manifestação. É dedicado apenas para comentários e opiniões sobre as matérias do Portal da Câmara. Sua contribuição será registrada desde que esteja em acordo com nossas regras de boa convivência digital e políticas de privacidade.

Nesse espaço não há respostas - somente comentários. Em caso de dúvidas, reclamações ou manifestações que necessitem de resposta clique aqui e fale com a Ouvidoria da Câmara Municipal de São Paulo.

 Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também