Pessoas a partir de 18 anos, com comorbidades e deficiência permanente, já podem se imunizar contra a Covid-19 na capital

KAMILA MARINHO
HOME OFFICE

Começou nesta semana a vacinação contra Covid-19 para pessoas com comorbidades e deficiência permanente inscritas no BPC (Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social) a partir dos 18 anos. Esse é a última abertura de faixa etária para pessoas com comorbidades e deficiência permanente. A imunização deste novo grupo acontece nas UBSs (Unidades Básicas de Saúde), mega postos, AMA/UBS Integradas, Centros de Saúde e unidades do Serviço de Atenção Especializada (SAE).

Documentação

Ao comparecer a um posto de vacinação é necessário portar um documento de identificação, comprovante de residência da cidade de São Paulo e um documento que comprove a condição de risco, que pode ser um exame, receita, relatório ou prescrição médica, contendo o CRM do médico e com emissão máxima de dois anos.

Já as pessoas com deficiência permanente inscritas no BPC a partir dos 18 anos devem apresentar, além de um documento de identificação e um comprovante de residência da cidade de São Paulo, um documento que comprove a deficiência, que pode ser um laudo médico, cartão de gratuidade no transporte público, documentos comprobatórios de atendimento em centros de reabilitação ou unidades especializadas no atendimento de pessoas com deficiência ou documento oficial de identidade com a indicação da deficiência. Também é necessário mostrar um comprovante do recebimento do BPC.

Doses remanescentes

Pessoas com deficiência física com 18 anos ou mais, que não estão cadastradas no Benefício de Prestação Continuada podem se candidatar às doses remanescentes da vacina contra a Covid-19. Para isso, basta comparecer a Unidade Básica de Saúde mais próxima e se candidatar à primeira dose. O nome do munícipe entrará em uma lista de espera com telefone para convocação, caso tenha doses remanescentes no fim do dia de vacinação.

Outros grupos

Acadêmicos em saúde em estágio e estudantes de área técnica em saúde que estejam estagiando, independentemente do período de formação, também podem se candidatar às doses. Pessoas com mais de 50 anos de idade também podem se cadastrar nas UBSs para as doses remanescentes.

É importante evitar aglomerações nos postos de vacinação e comparecer ao local com o pré-cadastro no site Vacina Já preenchido, para agilizar o tempo de atendimento.

Mais sobre o novo coronavírus 1

Segundo boletim mais recente sobre a pandemia do novo coronavírus publicado pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo, nesta terça-feira (8/6), a capital paulista contabilizava 31.283 vítimas da Covid-19. Havia, ainda, 1.189.492 casos confirmados de infecções pelo novo coronavírus. Desde o início da pandemia 1.510.798 pessoas haviam recebido alta após passar pelos hospitais de campanha, da rede municipal, contratualizados e pela atenção básica do município.

Abaixo, gráfico detalhado sobre os índices da Covid-19 na cidade de São Paulo.

Prefeitura de SP

Em relação ao sistema público de saúde da região metropolitana de São Paulo, a atualização mais recente destaca que, nesta terça (8/6), a taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) destinados a pacientes com Covid-19 é de 79,4%.

Considerado pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e autoridades sanitárias a principal forma de contenção da pandemia do novo coronavírus, o isolamento social na cidade de São Paulo nesta segunda (7/6), foi de 38%.

Os dados são do Sistema de Monitoramento Inteligente do Governo de São Paulo, que utiliza dados fornecidos por empresas de telefonia para medir o deslocamento da população e a adesão às medidas estabelecidas pela quarentena no Estado.

Mais sobre o novo coronavírus 2

A Secretaria da Educação do Estado de São Paulo já iniciou a liberação dos comprovantes (QR Code) para cerca de 80 mil profissionais da Educação Básica de 45 e 46 anos se vacinarem a partir desta quarta-feira (9/6). Caso o usuário não apresente o comprovante, ele não poderá ser imunizado como profissional da educação.

O profissional da educação deverá apresentar o comprovante VacinaJá Educação, RG e CPF para conferência dos dados pelo profissional de saúde.  O cadastro é o primeiro passo para imunização, porém, não significa o agendamento.

Para receber a imunização, os profissionais devem realizar o cadastro no portal VacinaJá Educação. Podem se cadastrar os servidores que atuam nas escolas ou em órgãos administrativos, como Secretarias da Educação e Diretorias de Ensino.

No caso da rede estadual, apenas a categoria de terceirizados deverá fazer o cadastro e para os demais profissionais, o QR Code será gerado e enviado ao e-mail informado, automaticamente, quando chegar a data da vacinação, sem necessidade de cadastro prévio.

Para as demais redes – municipal, federal e particular -, o cadastro é obrigatório. No cadastro, os profissionais devem informar o número do CPF, nome completo e e-mail. Em seguida, receberão um link no e-mail indicado e será necessário validá-lo para dar continuidade ao cadastro. É importante verificar se o e-mail não foi deslocado para a caixa de spam.

No passo seguinte, o profissional deve confirmar os dados pessoais e apontar nome da escola, rede de ensino, município, cargo ocupado e anexar o último holerite.

Na sequência, o cadastro passará por um processo de análise e, se validado, o profissional receberá em seu e-mail o comprovante VacinaJá Educação, este documento terá um QR Code para verificação de autenticidade. O sistema para validação das escolas já está aberto.

Atuação do município

A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta terça-feira (8/6) a contratação emergencial de 100 leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) e 100 leitos de enfermaria para pacientes não-Covid. As vagas são em hospitais particulares e serão contratadas pela Secretaria Municipal da Saúde inicialmente por 60 dias. Com isso, será possível liberar leitos da rede para um eventual aumento nas internações por Covid-19. O anúncio foi feito pelo secretário municipal da Saúde, Edson Aparecido, em visita à UBS (Unidade Básica de Saúde) Vila Praia, na zona sul da cidade. Segundo o secretário, a capital vive um momento de pressão na rede hospitalar por conta do aumento de internações. “A cidade precisa de um conjunto de leitos para atender à população que não está com Covid-19”.

Edson Aparecido adiantou que pela primeira vez os leitos de UTI Covid-19 e não-Covid estão em um patamar muito alto na cidade e que, por isso, a gestão municipal vai implantar mais 250 leitos de UTI até o dia 20 deste mês, para enfrentar a pandemia.

A SMS fará um chamamento público para contratar leitos clínicos hospitalares para pacientes não-Covid junto a entidades e redes privadas.

*Ouça aqui a versão podcast do boletim Coronavírus

*Este conteúdo e outros conteúdos especiais podem ser conferidos no hotsite Coronavírus

Este é um espaço de livre manifestação. É dedicado apenas para comentários e opiniões sobre as matérias do Portal da Câmara. Sua contribuição será registrada desde que esteja em acordo com nossas regras de boa convivência digital e políticas de privacidade.

Nesse espaço não há respostas - somente comentários. Em caso de dúvidas, reclamações ou manifestações que necessitem de resposta clique aqui e fale com a Ouvidoria da Câmara Municipal de São Paulo.

 Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também