Capital ultrapassa 20 milhões de doses aplicadas de imunizantes contra a Covid-19

KAMILA MARINHO
HOME OFFICE

A cidade de São Paulo ultrapassou a marca de 21 milhões de doses aplicadas das vacinas contra a Covid-19 nesta quinta-feira (18/11). A capital também superou 9 milhões de segundas doses em sua população adulta e já aplicou mais de um milhão de doses adicionais.

Dados do boletim Vacinômetro da Secretaria Municipal da Saúde apontam que a capital contabiliza mais de 21.012.259 doses aplicadas nos munícipes com idade acima dos 18 anos.

Até esta quinta, 10.563.405 pessoas já receberam a primeira dose dos imunizantes Coronavac, AstraZeneca ou Pfizer. Além disso, 9.047.429 moradores da capital já receberam a segunda dose. 328.064 moradores que receberam a dose única da vacina da Janssen.

Os números correspondem a 108,4% da cobertura vacinal em primeira e segunda doses e, alcançam a marca de 98,8% de aplicações em segunda dose e dose única.

Iniciada em setembro, a vacinação em dose adicional já alcança 11,6% da população que completou o esquema vacinal de duas doses. Em números, são 1.073.361 doses adicionais aplicadas em idosos, adultos com alto grau de imunossupressão, profissionais de saúde e educação, que estão recebendo um reforço vacinal recomendado pela OMS (Organização Mundial da Saúde).

Na capital, a vacinação dos adolescentes também avança e cidade de São Paulo contabiliza 887.392 doses aplicadas nos jovens de 12 a 17 anos, o que corresponde a 105,1% da população estimada nesta faixa etária.

Todas as informações sobre a campanha de vacinação na capital podem ser obtidas na página Vacina Sampa.

Mais sobre o novo coronavírus 1

Nesta sexta (19/11), 0 Brasil atingiu a marca mais de 300 milhões de doses de vacinas contra a Covid-19 aplicadas desde o início da campanha de vacinação, segundo o Ministério da Saúde. Até o momento, 157,6 milhões de pessoas receberam a primeira dose e 129,8 milhões tomaram as duas doses ou a dose única da vacina, o que representa que 73,3% da população-alvo completou o ciclo vacinal.

Amanhã (20/11), o ministério vai promover uma campanha para ampliar ainda mais o número de brasileiros completamente vacinados. De acordo com a pasta, a estimativa é que 21 milhões de pessoas não compareceram aos postos para tomar a segunda dose da vacina.

A campanha Mega Vacinação tem por objetivo para ampliar a aplicação da segunda dose para atingir 85% da população-alvo com o esquema vacinal completo. Além da segunda dose, a campanha também é voltada para a aplicação da dose de reforço para as faixas etárias já liberadas.

Na terça-feira (16/11), o ministério anunciou a redução do intervalo da dose de reforço da vacina contra a Covid-19. A partir de agora, a dose adicional está liberada para toda a população adulta acima de 18 anos de idade. Desde que o reforço na imunização começou, o número de vacinas aplicadas atingiu 12,7 milhões.

Segundo a pasta, o intervalo entre a dose dois e a de reforço também foi reduzido. Antes, era preciso aguardar seis meses para tomar o reforço. Agora, o prazo passa a ser de cinco meses após o esquema vacinal completo. A orientação é baseada em pesquisas científicas que apontam queda na resposta imune, principalmente, a partir do 5º mês após a dose dois.

Na avaliação do Ministério da Saúde, os resultados do avanço na vacinação refletem no cenário epidemiológico da doença, bem mais equilibrado atualmente. Desde o pico da pandemia, registrado em abril, a média móvel de óbitos caiu 91,7%.

Ontem (18) o ministério informou que foram registraram, em 24 horas, 12.301 casos de Covid-19 e 293 mortes resultantes de complicações associadas à doença. Com isso, o número de vidas perdidas para a pandemia chegou a 612.144.

Mais sobre o novo coronavírus 2

De acordo com o boletim diário mais recente publicado pela Secretaria Municipal de Saúde de São Paulo sobre a pandemia do novo coronavírus, até esta quinta-feira (18/11), a capital paulista totalizava 39.027 vítimas da Covid-19. Havia, ainda, 1.541.031 casos confirmados de infecções pelo novo coronavírus.

Abaixo, gráfico detalhado sobre os índices da Covid-19 na cidade de São Paulo.

Prefeitura de SP

Em relação ao sistema público de saúde, os dados mais recentes mostram que a taxa de ocupação de leitos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) destinados ao atendimento de pacientes com Covid-19 na região metropolitana de São Paulo, nesta sexta (19/11), é de 28,1%.

Já na quinta (17/11), o índice de isolamento social na cidade de São Paulo foi de 38%. A medida é considerada pela OMS (Organização Mundial da Saúde) e autoridades sanitárias a principal forma de contenção da pandemia do novo coronavírus.

A aferição do isolamento é feita pelo Sistema de Monitoramento Inteligente do Governo de São Paulo, que utiliza dados fornecidos por empresas de telefonia para medir o deslocamento da população e a adesão às medidas estabelecidas pela quarentena no Estado.

Atuação do município

cidade de São Paulo segue com vacinação de dose adicional contra a Covid-19 para os munícipes elegíveis. A partir desta sexta (19/11), a dose de reforço está disponível para pessoas maiores de maiores de 18 anos que receberam a segunda dose dos imunizantes Coronavac, AstraZeneca e Pfizer até o dia 17 de junho ou há pelo menos cinco meses.

O novo calendário é válido também para o reforço vacinal de categorias profissionais como as de saúde e educação, além dos idosos, que até então precisavam aguardar seis meses para receber a dose adicional. Todos receberão a dose de reforço da Pfizer.

Vale lembrar que a dose adicional já estava sendo disponibilizada pela Secretaria Municipal da Saúde aos trabalhadores da Guarda Civil Metropolitana, sepultadores do serviço funerário e agentes fiscalizadores das subprefeituras, idosos com mais de 60 anos, profissionais de saúde com mais de 18 anos e de educação com mais de 40 anos, além de adultos com alto grau de imunossupressão que receberam a última dose há pelo menos 28 dias. A secretaria reforça que a vacinação segue também para o público de 12 a 17 anos.

É obrigatório apresentar um documento de identificação, preferencialmente CPF e cartão SUS, além de comprovante de residência no município de São Paulo e o cartão de imunização contra Covid-19, no caso de segunda dose ou dose adicional.

Além disso, profissionais de saúde e educação devem apresentar um documento que comprove o vínculo empregatício, bem como os trabalhadores da GCM, sepultadores do serviço funerário e agentes fiscalizadores das subprefeituras.

É indicado consultar o site De Olho na Fila e verificar a movimentação de pessoas nas unidades antes de realizar o deslocamento. A plataforma também informa onde encontrar os imunizantes para aplicação da segunda dose.

 

*Ouça aqui a versão podcast do boletim Coronavírus desta sexta-feira

*Este conteúdo e outros conteúdos especiais podem ser conferidos no hotsite Coronavírus

Este é um espaço de livre manifestação. É dedicado apenas para comentários e opiniões sobre as matérias do Portal da Câmara. Sua contribuição será registrada desde que esteja em acordo com nossas regras de boa convivência digital e políticas de privacidade.

Nesse espaço não há respostas - somente comentários. Em caso de dúvidas, reclamações ou manifestações que necessitem de resposta clique aqui e fale com a Ouvidoria da Câmara Municipal de São Paulo.

 Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também