Câmara de SP adota medidas mais restritivas contra a Covid-19

DA ASSESSORIA DE IMPRENSA

Com o reagravamento da pandemia de Covid-19, a Câmara Municipal de São Paulo vai adotar medidas mais restritivas para ajudar a frear a circulação do vírus. Entre as ações estão a suspensão do acesso ao público no Palácio Anchieta e a realização de sessões plenárias e reuniões de comissões exclusivamente pelo sistema remoto.

As medidas foram anunciadas nesta terça-feira (2/3) durante o Colégio de Líderes e valem a partir desta quarta-feira (3/3), inicialmente por 45 dias.

Graças ao sistema informatizado já existente na Câmara, todas as atividades parlamentares serão mantidas por meio virtual. Desde o início da pandemia, em março de 2020, a Câmara de São Paulo foi uma das poucas do país que não pararam uma semana sequer.

“A Câmara vai continuar trabalhando e debatendo os temas de interesse da cidade. Não haverá prejuízo para as votações dos projetos, que serão virtuais”, afirmou o presidente Milton Leite (DEM). “Serei tolerante e paciente na condução das sessões virtuais para que seja possível votar tudo o que for necessário, com respeito ao debate e com amplo direito à oposição”, ressaltou.

Confira as medidas anunciadas (e como era antes):

– Interrupção de acesso do público (hoje podem entrar até 4 visitantes ao mesmo tempo por gabinete);

– Sessões plenárias e reuniões de comissões pelo sistema virtual (hoje ocorrem de forma híbrida virtual + presencial);

– Interrupção de eventos institucionais não parlamentares (hoje ocorrem com lotação de 20% dos auditórios);

– Presença de apenas 2 funcionários por gabinete de vereador (hoje são permitidos 4 funcionários);

– Servidores administrativos em número mínimo necessário para manutenção de atividades. Os demais deverão atuar por teletrabalho.

Veja aqui a íntegra do Colégio de Líderes

Confira neste link o ato 1504/2021

Uma Contribuição

Omar Braga Mendonça

Sou conselheiro de saúde seg. usuário desejo obter informações do legislativo do combate a Pandemia e como nos conselheiros poderemos interagir com o parlamento para defender as vidas da população da periferia .

Responder

Deixe a sua contribuição:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também