Comissão de Finanças realiza última audiência para debater o Plano Municipal da Educação

AP PLANO MUNICIPAL DE EDUCACAO-26-05-2015 FRANCA-01626-300ABRE

Auditório Prestes Maia recebe a última audiência pública sobre o Plano Municipal de Educação Foto: Luiz França / CMSP

DA REDAÇÃO

Nesta segunda-feira (25/5), a Câmara Municipal de São Paulo realizou a última audiência pública para debater o Plano Municipal de Educação. Estiveram presentes educadores, especialistas na área e o secretário municipal da Educação, Gabriel Chalita (PMDB).

chalita

Secretário Municipal de Educação, Gabriel Chalita  Foto: Luiz França / CMSP

Para o secretário, o texto do plano está muito bom, mas é necessário algumas adaptações. “Mas isso é o relator quem vê. Por exemplo: quando você fala da diminuição de alunos em sala de aula, não dá. É preciso construir escola para isso. Precisa resolver primeiro o problema das crianças fora da escola para depois diminuir o número de alunos em sala. Você tem a questão de aumentar o percentual do orçamento para a educação. É evidente que eu sou favorável a isso, mas isso é uma discussão da cidade e que envolve vários fatores”.

De acordo com o relator do projeto que discute o Plano Municipal de Educação, o vereador Paulo Fiorilo (PT), o próximo passo é apresentar o relatório à Comissão de Finanças. “Se aprovado, ele vai ao plenário para ser votado. A expectativa é que ele vá ao plenário no meio de junho e que a votação ocorra até o final do primeiro semestre”, disse.

O Plano Municipal de Educação é um instrumento que deve orientar o Executivo para o planejamento do sistema de educação no município nos próximos dez anos. Atualmente o Plano está em tramitação na Câmara Municipal de São Paulo sob a forma do Projeto de Lei nº 415/12, que estabelece vinte e duas metas a serem cumpridas, assim como elenca as estratégias escolhidas para atingir os objetivos propostos. Como ele dura mais de quatro anos, o tempo de uma gestão, deve ser incorporado aos vários planos de governo subsequentes.

3 Contribuições

Mayla

Espero que em proteção à família e nossa sociedade os Senhores Vereadores retirem do plano a questão do gênero.
Respeito às diferenças e minorias, sim.
Coletivizar a aniquilação da identidade sexual das crianças NÃO!!!

Fernando

Lamentável como o Sr. Gabriel Chalita, que se diz cristão e católico, fez ouvidos de mercador às reivindicações das pessoas presentes à audiência para debater o Plano Municipal de Educação. Refiro-me à sutil imposição da ideologia de gênero nos currículos das escolas paulistanas. Caso alguém ainda tenha dúvida de que a ideologia de gênero é um embuste totalmente ideológico, recomendo assistir ao documentário O PARADOXO DA IGUALDADE, presente no Youtube, que expõe a fragilidade dos que argumentam a favor de tal ideologia. Tal documentário foi tão impactante que resultou no fechamento do “Departamento de Gênero” da Noruega. Senhores políticos, ESTAMOS DE OLHO EM SEUS ATOS!

Contribuições encerradas.

Veja também