Vereadores falam das prioridades para o segundo semestre

André Moura/CMSP

Sessão Plenária desta terça-feira (1/8)

Na primeira Sessão após o recesso do Legislativo, nesta quarta feira (1/8), 51 vereadores registraram presença no Plenário da Câmara Municipal de São Paulo. Parlamentares destacaram alguns Projetos de Lei que podem entrar em discussão no segundo semestre deste ano.

A expectativa do líder do governo na Câmara, o vereador João Jorge (PSDB), é que os trabalhos da Casa sejam produtivos mesmo com o período pré-eleitoral, onde alguns vereadores estarão em campanha política para concorrer a cadeiras de Deputado Estadual e Deputado Federal.

O parlamentar disse que a meta é cumprir com as obrigações, entre elas votar em segunda e definitiva discussão o PL (Projeto de Lei) 722/2015, que prevê a elaboração de um Plano Urbanístico complementar do setor Chucri Zaidan da Operação Urbana Água Espraiada, zona sul da capital. “O Projeto Chucri Zaidan deve ser votado semana que vem”, afirmou João Jorge.

Para o líder da oposição na Casa, o vereador Antonio Donato (PT), o segundo semestre deverá ser dividido em dois momentos – o antes e o depois das eleições. Para o parlamentar, a expectativa também é votar o PL 722/2015, do Chucri Zaidan, na próxima semana.

“Você precisa ter uma adaptação da Lei para gerar mais recursos para construir as moradias necessárias, que são mais de 8.500. Esse é um Projeto importante, que está na pauta menos por ação do governo e mais por pressão dos setores interessados”, concluiu Donato.

O vereador Cláudio Fonseca (PPS) considera importante colocar em pauta, no segundo semestre, alguns Projetos estruturais como, por exemplo, os planos municipais de habitação, transporte, saúde, segurança e educação.

Sobre voltar a discutir a reforma da previdência municipal, o parlamentar disse que este tema pode aguardar. “No meu entender, é necessário que se faça a discussão sobre a questão previdenciária sem onerar os servidores públicos, sem mexer nos seus direitos”, destacou Fonseca.

O vereador João Jorge também falou sobre a reforma da previdência municipal. “A questão da previdência é um pouco mais complexa porque estamos nos esforçando, neste começo do segundo semestre, na composição da Comissão que o presidente da Câmara Milton Leite anunciou, com prazo de 90, 120 dias, para que ainda este ano a gente possa retomar a discussão”.

Deixe uma resposta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também