São Paulo testa ônibus elétrico para reduzir poluentes

André Moura/CMSP

Ônibus elétricos da BYD do Brasil

LUCIANO TEIXEIRA
DA REDAÇÃO

O presidente da Câmara Municipal e prefeito em exercício de São Paulo, Milton Leite (DEM), visitou nesta terça-feira (16/10) a fábrica da BYD do Brasil, em Campinas (SP), onde anunciou um projeto-piloto da Prefeitura para testar na cidade o transporte coletivo elétrico sem emissão de poluentes.

Pelo compromisso firmado, o grupo chinês se comprometeu a disponibilizar 15 ônibus elétricos, que começarão a circular na cidade em até dois meses. A iniciativa servirá de teste para a Prefeitura, que vai definir, por meio de critérios técnicos, qual concessionária irá receber os veículos.

Além do prefeito em exercício, estiveram na visita à fábrica o secretário municipal de Transportes, Octaviano Machado Neto, o secretário do Verde e do Meio Ambiente, Eduardo de Castro, e o presidente da SPTrans, Paulo César Shingai.

A parceria vai no mesmo sentido de legislação recente da cidade.

Em dezembro de 2017, após uma série de audiências públicas na Câmara, foi aprovado o Projeto de Lei 300/2017, proposto pelos vereadores Milton Leite e Gilberto Natalini (PV), criando metas para a redução das emissões de poluentes da frota de veículos em São Paulo.

Em Campinas, Leite também discutiu os custos da operação. “Queremos tecnologia de ponta e preço competitivo para que o sistema se viabilize na cidade de São Paulo”, disse Leite. Segundo o acordo, o custo para os ônibus rodarem na cidade não poderá superar o custo do diesel.

Durante o encontro, Leite também manifestou preocupação com a transparência do processo de substituição da frota municipal pelos ônibus elétricos. “Já pedimos que os técnicos do Tribunal de Contas de São Paulo acompanhem todo o processo, para dar maior transparência a essa mudança tão significativa para a cidade”, explicou.

Infraestrutura
Um ponto importante para a implantação do sistema elétrico na cidade são as centrais de recarga, que terão de ser instaladas em áreas próximas às garagens de ônibus. Um estudo de viabilidade foi realizado nos últimos meses para definir as garagens.Uma parcela da energia para abastecer os veículos virá da BYD, a partir da geração elétrica de uma das primeiras fazendas de energia fotovoltaica do país, localizada em Araçatuba (SP).

A promessa da BYD é de que custo inicial será de 45 centavos por KW/H, abaixo do preço do mercado brasileiro. A BYD se comprometeu ainda a manter o valor fixo pelos próximos 15 anos, apenas com a correção da inflação do período.

Empresa chinesa
A BYD é a maior empresa de veículos elétricos do mundo. O faturamento anual da empresa é de 82 bilhões de reais. Fundada em 1995, a BYD é especializada na produção de veículos elétricos: ônibus, taxis, furgões e até caminhões de lixo. A produção anual da empresa é de 35 mil ônibus elétricos. Além da China, onde são líderes de mercado, atuam nos Estados Unidos, Austrália, países europeus e da Ásia.

 

Confira fotos da visita:

Deixe uma resposta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também