Parlamento Jovem 2018 reúne estudantes eleitos vereadores por um dia

Daniel Monteiro/CMSP

Participantes do Parlamento Jovem 2018

DANIEL MONTEIRO
DA REDAÇÃO

Trabalhar de maneira plural e igualitária. Com esse mote, a chapa Amarela foi eleita para compor a Mesa Diretora da 17ª Edição do Parlamento Jovem Paulistano, nesta sexta-feira (9/11), na Câmara Municipal de São Paulo.

Realizado no Plenário da Casa, o evento diplomou como vereadores por um dia 55 jovens, eleitos em escolas da Capital, que apreciaram 55 Projetos de Lei (PLs), propostos pelos jovens parlamentares na faixa de 11 a 15 anos.

Presidente da chapa vencedora, o estudante Marcos Gabriel de Sousa (Partido Natureza, criado para o evento), da EMEF Professor Abrão de Moraes, localizada na Vila Nhocuné, Zona Leste da cidade, defendeu a pluralidade nas discussões políticas. E a necessidade da representatividade na atuação parlamentar. “Nossa chapa tem alunos de escolas públicas e particulares, de diferentes regiões da cidade. Eles são reflexos do que queremos, de diferentes vozes em busca do bem social”, discursou Sousa, autor do PL (Projeto de Lei) 48/2018, que obriga a separação do lixo reciclável nas Escolas Públicas Municipais.

Integrante do Partido Educação, a aluna Maria Eduarda Rodrigues de Almeida, da EMEF Professor Luiz David Sobrinho, situada no Parque Panamericano (Zona Norte), emocionou os presentes ao defender emocionada o seu PL, de número 178/2018, que trata da obrigatoriedade da abordagem do tema “abuso sexual e exploração sexual infantil” nas escolas da rede municipal paulistana.

Sem conter as lágrimas, Maria Eduarda defendeu a necessidade de conscientizar a sociedade e de proteger as vítimas. “É um assunto muito importante, ainda censurado, que leva a criança a se sentir culpada. Esse projeto pretende fazer da escola um espaço de acolhimento dessa criança e de formação social, para mudar essa realidade”, destacou a estudante.

Presidente na edição de 2017 do Parlamento Jovem, Gabriel Lucchesi Ferreira Barbato participou da solenidade de diplomação dos novos vereadores e elogiou a iniciativa. Para ele, a possibilidade de ser vereador foi transformadora. “Para quem está fora da política, esse período de um dia que vivemos como parlamentar é esclarecedor, pois nos ensina o funcionamento da Câmara, sobre como se dá a participação da população e ainda da voz a nós, jovens, para que nossas ideias sejam ouvidas”, ressaltou o jovem.

O vereador Caio Miranda (PSB), responsável pela abertura do evento e pela diplomação dos jovens parlamentares, destacou a importância do Parlamento Jovem, cuja finalidade é possibilitar aos alunos de escolas públicas e particulares a vivência do processo democrático em uma jornada parlamentar. “Essa é a próxima geração, aquela que irá ocupar os postos na cidade e na política. Se desde cedo eles souberem como funciona e participarem do processo político, quem sabe consigamos criar um futuro mais promissor”, afirmou o vereador.

O que é – O Parlamento Jovem Paulistano foi criado na Câmara Municipal de São Paulo pela Resolução nº 10 de 21 de agosto de 2001. O principal objetivo é oferecer aos jovens do Município uma lição de cidadania e democracia, com a vivência, por um dia, das funções e dos trabalhos do Poder Legislativo.

Todos os estudantes do 6º ao 9º ano das escolas públicas e particulares do Município podem se candidatar a uma das 55 cadeiras do Parlamento Jovem.  Em 2018, o evento contou com 180 inscrições para disputar as 55 vagas de vereadores por um dia, além de cinco suplentes.

A lista dos parlamentares eleitos e seus respectivos Projetos de Lei podem ser acessados nesse link.

Confira as fotos da Sessão:

 

Deixe uma resposta:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja também